Fonte: OpenWeather

    Economia


    Ministro defende regulamentação de serviços como Netflix e WhatsApp

    O ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, sinalizou em audiência pública na Câmara dos Deputados a intenção de discutir a regulamentação de serviços como o Netflix e o WhatsApp.

    Ele defendeu que a discussão ocorra em âmbito nacional e internacional e usou o exemplo da União Europeia que, conforme destacou, já debate o assunto. "É uma questão muito difícil, em que existem interesses conflitantes", destacou nesta quarta-feira (19).

    Berzoini mencionou o Marco Civil da internet, aprovado ano passado pelo Congresso, como um avanço, mas ponderou que ele não trata dos serviços chamados "Over the Top", nos quais também se enquadram Skype e YouTube.

    Para ele, o modelo de prestação de serviço de telecomunicações precisa ser atualizado. Entre as mudanças necessárias está a garantia de "tratamento equânime a serviços de telecomunicações e novos serviços de internet".

    Ele afirmou que os novos serviços não geram empregos no Brasil, mas usam pesadamente a rede brasileira, "mantida por empresas que geram emprego e investimentos".

    Ao longo de sua fala na comissão de Defesa do Consumidor da Câmara, o ministro afirmou ainda que o governo está finalizando a nova fase do Programa Banda Larga para Todos, mas não deu uma previsão de quando isso deve ocorrer. Inicialmente, o programa estava previsto para o primeiro semestre deste ano.

    A intenção, ressaltou Berzoini, é expandir a banda larga para 300 milhões de acessos e aumentar a velocidade média, que hoje é 6,8 Mb/s para25 Mb/s.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    2. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    3. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    4. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

    5. Comércio chega ao sétimo mês de crescimento e espera alta de até 5% no fim do ano