Fonte: OpenWeather

    Economia


    Procura por viagens aéreas domésticas cai 0,6% em agosto

    A demanda por viagens aéreas nacionais registrou queda de 0,6% em agosto, em relação ao mesmo mês no ano passado, segundo a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear). A oferta permaneceu praticamente estável na mesma base de comparação, avançando 0,1%.

    O levantamento mostra que o fator de aproveitamento das operações, de 78,7% no mês, teve uma queda de 0,6 ponto percentual em agosto. Foram pouco mais de 8 milhões de viagens domésticas no mês passado, alta de 0,9 sobre agosto do ano anterior.

    O presidente da Abear, Eduardo Sanovicz, avalia que a alta do dólar e a elevação dos custos das companhias contribuíram negativamente. “A aviação se sustenta pelo crescimento econômico ao mesmo tempo em que induz o desenvolvimento. Romper esse ciclo é muito ruim para o país”, disse.

    Houve retração acentuada do público corporativo, predominante no cotidiano da aviação doméstica, um dos efeitos da crise econômica, segundo a Abear.

    No acumulado de janeiro a agosto, a oferta teve uma expansão de 2,9%. A procura evoluiu 3,8%. O fator de aproveitamento subiu 0,7 ponto percentual, alcançando 80,3%. O ano registra 63,7 milhões de passageiros transportados, 3% a mais do que no mesmo período de 2014.

    Cargas

    Em agosto, as companhias aéreas transportaram pouco mais de 28 mil toneladas de carga no mercado doméstico, o que representa uma retração de 12,3% em relação ao mesmo mês de 2014. O segmento internacional, por outro lado, teve alta de 11,5%, somando 15,7 mil toneladas transportadas.

    No acumulado do ano, o mercado doméstico registra um total de 214,2 mil toneladas de cargas transportadas por via aérea (-8,6%), enquanto mercado internacional soma 112,9 mil toneladas movimentadas (3,9%).

    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    2. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    3. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    4. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

    5. Comércio chega ao sétimo mês de crescimento e espera alta de até 5% no fim do ano