Fonte: OpenWeather

    Economia


    Após novas regras, amazonenses dispensam trabalho das domésticas

    As novas regras trabalhistas para os empregados domésticos obrigaram famílias amazonenses a substituí-los pelos serviços de diaristas. Na tentativa de fugir dos encargos tributários e economizar no período de crise, o profissional sem vínculo empregatício passou a ser a opção mais procurada por quem não quer abrir mão de ter alguém para cuidar dos serviços em casa

    A professora Cristina Tomás, 51, dispensou a empregada, que trabalhou por 4 anos em sua casa, logo que o assunto do Simples Doméstico - que entrará e vigor a partir do dia 2 de outurbo - passou a ser discutido. Segundo ela, a medida foi para economizar.

    “A diarista vem uma vez por semana. Por cada diária eu pago R$ 100. Estou economizando e muitas amigas minhas fizeram o mesmo. Eu não condeno a lei e acho justo que as empregadas tenham os direitos assegurados, pois existem pessoas exploradas pelos seus patrões. O único problema é que o Brasil passa por uma crise e acho que as domésticas vão ser afetadas pelo desemprego”, observou.

    Uma empresária, que preferiu não se identificar, optou por abrir mão dos serviços da empregada, que trabalhava de segunda a sábado em horário comercial em sua casa.

    Para não correr o risco de procurar alguém desconhecido, negociou com a mesma pessoa os afazeres domésticos três vezes por semana. Agora, a empresária paga o valor de R$ 500 pelas três diárias, sendo que antes tinha que arcar com um salário de R$ 1 mil, economia de 50%.

    Exceções

    Em contrapartida aos empregadores que demitiram domésticas, a professora Viviane Oliveira Araújo, 38, preferiu manter a secretária do lar por questões de segurança e confiança, mesmo que tenha que pagar a mais por essa decisão. Ela contou que assina a carteira de “dona Juci” e, atualmente, paga um salário mínimo acrescido de R$ 125 referente ao vale-transporte.

    “É bom para os empregados, pois é uma segurança para quando eles saírem dos empregos. Prefiro pagar a mais e garantir os direitos dela. É difícil de achar alguém de confiança, tanto que outros empregados já me roubaram e maltrataram minha filha. Com a dona Juci, já estou há 3 anos. Ela foi um achado”, contou Viviane.

    Por Cecília Siqueira

    Mais lidas

    1. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    2. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    3. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    4. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

    5. Comércio chega ao sétimo mês de crescimento e espera alta de até 5% no fim do ano