Fonte: OpenWeather

    Economia


    Pescadores vão ficar sem o seguro defeso no Amazonas

    ECO_PEIXE_RICARDO OLIVEIRA

    Cem mil pescadores do Amazonas amargarão um prejuízo de R$ 270 milhões com a suspensão dos recursos do seguro-defeso pelo governo federal. Os recursos foram suspensos por 120 dias, ontem, pela portaria 192 assinada pelos ministros de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu, e do Meio Ambiente, Francisco Gaetani.

    Segundo a Federação dos Pescadores do Estado do Amazonas (Fepesca), a suspensão dos recursos afetará 98 mil famílias no Estado e outras 600 mil no país.

    O presidente da Fepesca, Walzenir Falcão, disse, ontem, que estava reunido com o corpo jurídico da federação para recorrer da suspensão do benefício. “Foi um ato impensado de dois ministros que sequer conversaram com o setor pesqueiro. Estão adotando atos tão irresponsáveis sem mensurar os prejuízos dessas ações para o ecossistema pesqueiro e, inclusive, para a economia do país”, disse.

    Falcão informou que estava em Brasília, no último dia 8, em reunião com o ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, quando técnicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento anunciaram a suspensão do benefício.

    “Informaram que a suspensão ocorreria quando a ministra retornasse de uma viagem e, para nossa surpresa, a portaria foi publicada hoje (ontem). Estamos falando de pescadores que moram nos “beiradão” do Estado, que enfrentaram uma enchente tremenda e que, agora, estão sem recursos para manter suas famílias”, disse Falcão.

    Segundo a portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU), a suspensão é válida por 120 dias e afetará 21 Estados.

    O defeso no Amazonas ocorre no período de 15 de novembro a 15 de março. Durante este período, os pescadores recebem o equivalente a um salário mínimo para que as atividades de caça, coleta e pesca esportiva e comercial fiquem suspensas para que os crustáceos e peixes se reproduzam.

    Por Camila Carvalho