Fonte: OpenWeather

    Economia


    Estado busca mudança na legislação da aquicultura

    Para o secretário de Estado de Produção Rural e Sustentabilidade, Sidney Leite, a aquicultura tem um grande potencial - foto: Ricardo Oliveira
    Para o secretário de Estado de Produção Rural e Sustentabilidade, Sidney Leite, a aquicultura tem um grande potencial - foto: Ricardo Oliveira

    Com o intuito de expandir a aquicultura no Amazonas, produtores rurais, governo e universidades buscam alternativas para aperfeiçoar a legislação ambiental do Estado. Entre as principais mudanças propostas está a permissão do uso de pequenos e médios igarapés para viabilizar a produção de peixes e reduzir os custos de criação.

    De acordo com o engenheiro agrônomo Aroldo Santos, o setor governamental do Amazonas precisa estudar melhor a legislação ambiental perante a produção rural, para que ela não atrapalhe no desenvolvimento do trabalho do produtor rural.

    Santos ressaltou que a legislação tem alguns aspectos positivos, pois de acordo com ele, até cinco hectares o produtor não precisa se licenciar e ter um título de terra definitivo. Contudo, ele afirmou que ainda há muitas dificuldades, principalmente quando se trata de estocagem de água.

    Segundo o especialista, os pequenos e médios igarapés poderiam viabilizar a produção de peixes com redução dos custos da criação. “Faríamos estoque de água. O mundo hoje, principalmente o Amazonas, por conta do El Nino, tem menos 10% de chuva do que a média. O ambientalista que preparou essa legislação tem que entender que precisamos ser mais modernos, pois o mundo está dinâmico e as oscilações climáticas podem nos prejudicar, já que não existe peixe sem água. Se eu não fizer o estoque de água, eu vou ter que acabar com a produção”, observou.

    Apesar de não concordar com alguns aspectos da legislação, o engenheiro agrônomo afirma que o ambientalista é fundamental para a produção rural. No entanto, deve ser levado em consideração a base técnica e não pensamento ideológico que, para ele, não tem nenhuma fundamentação para auxiliar na produção e ajudar o mundo. “A legislação ambiental precisa ser moderna e aperfeiçoada para que garanta a sustentabilidade e lucro para os produtores rurais”, ponderou.

    Na manhã desta quarta-feira (18) universitários, e produtores rurais se reuniram na abertura do 6º Encontro de Negócios da Aquicultura da Amazônia, para debater melhorias para o setor e proporcionar a inteiração dos vários segmentos da produção rural.

    Para o secretário de Estado de Produção Rural e Sustentabilidade, Sidney Leite, a aquicultura tem um grande potencial, e a intenção é colocar a academia junto aos criadores da região.

    “Queremos aprofundar os resultados de pesquisas com a troca de experiência dos criadores. O cenário é positivo, porem nós precisamos vencer o desafio e ter uma ração com qualidade e preço justo, e uma escala de produção para possibilitar uma comercialização com um preço melhor, e isso passa por uma organização do setor produtivo”, afirmou. O secretário ressaltou que irá repassar ao governador do Estado os aperfeiçoamentos propostos na legislação ambiental pelos produtores rurais.

    Por Asafe Augusto

    Mais lidas

    1. Produtores de Itacoatiara recebem investimentos de R$ 1,5 milhão

    2. Ferramenta mostra como economizar até 35% na conta de luz

    3. Pesca esportiva movimenta R$ 70 milhões no Amazonas

    4. Você conhece o coworking? Compartilhamento de espaços para empresas está em alta

    5. Feira 'Tudo Para Casa' exibirá rochas ornamentais