Fonte: OpenWeather

    Economia


    Dólar comercial segue exterior, fecha em alta e encerra sequência de perdas

    O dólar à vista, referência no mercado financeiro, tinha desvalorização de 0,69% - foto: divulgação
    O dólar comercial fecha em alta.  - foto: divulgação

    O dólar comercial fechou em alta nesta segunda-feira (7) em alta sobre o real, acompanhando a valorização da moeda americana frente a outras divisas emergentes do mundo.

    O mercado continuou de olho na proximidade do momento de elevação de juros nos Estados Unidos e no andamento do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff no Brasil.

    O dólar comercial, utilizado em transações de comércio exterior, avançou 0,58%, para R$ 3,760 na venda, interrompendo uma sequência de quatro quedas. Já o dólar à vista, referência no mercado financeiro, subiu 0,41%, a R$ 3,763.

    Entre as 24 principais moedas emergentes do mundo, o dólar subiu em relação a 22. As exceções foram o peso argentino e o dólar de Hong Kong. A divisa dos EUA também ganhou força sobre todas as dez moedas globais mais importantes, entre elas o iene, o franco suíço, o euro e a libra esterlina.

    Internamente, a comissão especial da Câmara dos Deputados encarregada de analisar o pedido de abertura de impeachment contra Dilma será formada nesta segunda-feira e ratificada em sessão do plenário.

    Analistas acompanham com cautela o cenário político brasileiro. Apesar de a abertura do processo de impeachment contra a presidente ter provocado, na semana passada, uma reação positiva nos mercados, a medida também ampliou o risco de o Brasil perder em breve o selo de bom pagador concedido por outras agências de risco além da Standard & Poor's, que já retirou o grau de investimento do país neste ano.

    Lá fora, os investidores seguem à espera da reunião de política monetária do Federal Reserve (banco central dos Estados Unidos), marcada para os dias 15 e 16 deste mês. É esperado que a autoridade comece a subir os juros daquele país, que estão perto de zero desde a crise de 2008.

    A alta da taxa provocaria fuga de recursos aplicados em países emergentes para os EUA, encarecendo o dólar. Isso porque a mudança deixaria os títulos do Tesouro americano, cuja remuneração reflete a taxa de juros, mais atraentes que aplicações em mercados emergentes, considerados de maior risco.

    O Banco Central do Brasil deu continuidade nesta sessão aos seus leilões diários de swaps cambiais para estender os vencimentos de contratos que estão previstos para o mês que vem. A operação, que equivale a uma venda futura de dólares, movimentou US$ 546,3 milhões.

    No mercado de juros futuros, os principais contratos fecharam com sinais opostos na BM&FBovespa. O DI para janeiro de 2016 subiu de 14,159% para 14,160%. Já o DI para fevereiro de 2016 cedeu de 14,225% para 14,221%. O contrato para janeiro de 2020 apontou taxa de 15,770%, ante 15,680% na sessão anterior.

    Bolsa

    O principal índice da Bolsa brasileira chegou a subir mais de 1% pela manhã, amparado no bom desempenho das ações de bancos, mas perdeu força no início da tarde após os mercados acionários de Nova York abrirem em queda e fechou no vermelho. O Ibovespa cedeu 0,30%, para 45.222 pontos. O volume financeiro foi de R$ 5,2 bilhões.

    O desempenho negativo das ações da Petrobras ajudou a empurrar o Ibovespa para baixo. As ações preferenciais da estatal, mais negociadas e sem direito a voto, tiveram baixa de 4,39%, para R$ 7,19 cada uma. Já as ordinárias, com direito a voto, recuaram 5,37%, a R$ 8,64.

    Também no vermelho, a Vale viu sua ação preferencial ceder 1,50%, para R$ 9,84. É o menor valor desde 16 de junho de 2004, quando valia R$ 9,767. A ordinária teve desvalorização de 1,13%, a R$ 12,21 -menor cotação desde 12 de julho, quando valia R$ 12,167.

    No setor bancário, segmento com maior participação dentro do Ibovespa, as ações do Itaú e do Bradesco, que subiram mais de 1% pela manhã, inverteram a tendência pela tarde e fecharam no vermelho. Esses papéis tiveram quedas de 0,75% e 1,02%, respectivamente.

    O Banco do Brasil cedeu 0,40%. Em sentido oposto, as units (conjuntos de ações) do Santander registraram valorização de 2,15%, a R$ 15,71.

    Fora do Ibovespa, as units do BTG Pactual caíram 9,47%, para R$ 17,58. As ações da rede de drogarias Brasil Pharma, cujo maior acionista é o BTG Pactual, despencaram 24,57%, para R$ 10,10 cada uma.

    Segundo a agência de notícias internacional Bloomberg, o BTG quer vender até R$ 22 bilhões em carteiras de crédito (empréstimos feitos pelo banco) para aumentar o dinheiro em caixa disponível em meio à crise que vive após a prisão de seu ex-controlador, André Esteves.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Pesca esportiva movimenta R$ 70 milhões no Amazonas

    2. Você conhece o coworking? Compartilhamento de espaços para empresas está em alta

    3. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    4. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    5. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE