Fonte: OpenWeather

    Economia


    Reajuste salarial em 2015 tem margem mais baixa em 19 anos, diz Dieese

    Pesquisa indica que, no comércio, aumento com ganhos salariais atingiu 53% das negociações - foto: Arquivo/Agência Brasil
    Pesquisa indica que, no comércio, aumento com ganhos salariais atingiu 53% das negociações - foto: Arquivo/Agência Brasil

    Em todo o país, pouco mais da metade dos reajustes salariais ultrapassou a variação da inflação oficial medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) em 2015, revela o Sistema de Acompanhamento de Salários (SAS),  do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Esse universo correspondente a 708 unidades de negociação e foi o pior resultado desde 2004, quando o percentual foi de 54,9%.

    Em 2014, 90,2% das negociações tinham resultado em ganhos acima da inflação. O estudo mostra ainda que, em um terço delas, o percentual de reajuste ficou igual ao da inflação e 18% tiveram a remuneração abaixo do INPC.

    O levantamento aponta que os ganhos e perdas, em sua maioria, oscilaram em torno da inflação. Os ganhos até 1% foram registrados em 38% dos reajustes e, em 66% dos que ficaram abaixo da inflação, as perdas se situaram até 1%.

    Inflação em alta

    O estudo também aponta que, enquanto a inflação foi subindo, houve uma gradativa mudança no resultado das negociações. No início do segundo semestre, os reajustes com perdas salariais param de subir e ao mesmo tempo ganham força os reajustes com taxas iguais aos da inflação.

    “Uma possível explicação para a deterioração dos reajustes salariais ao longo do ano pode ser encontrada no agravamento do quadro econômico nacional, principalmente, no que se refere ao comportamento do nível de atividade, da ocupação e da inflação”, aponta a justificativa técnica do Dieese.

    O setor industrial foi que mais evidenciou os efeitos da crise. Só em 45% dos reajustes do setor ocorreram ganhos reais; em 36% os aumentos ficaram iguais ao da inflação; e em 19% houve perdas. Já no comércio, o aumento com ganhos atingiu 53% das negociações e os casos com perdas foram observados em 15%. As correções em taxa semelhante atingiram 32%.

    Nos serviços, o quadro foi melhor com 62% das categorias estudadas obtendo ganhos reais; 18% tiveram perdas e 20% correções em índice igual ao da inflação.


    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    2. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    3. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

    4. Comércio chega ao sétimo mês de crescimento e espera alta de até 5% no fim do ano

    5. Amazonas é o 5º na geração de empregos na região Norte e o 17º no Brasil