Fonte: OpenWeather

    Economia


    Dólar fecha abaixo de R$ 3,50 pela primeira vez em duas semanas

    Na mínima do dia, por volta das 13h, chegou a ser vendida a R$ 3,482 - foto: divulgação
    Na mínima do dia, por volta das 13h, chegou a ser vendida a R$ 3,482 - foto: divulgação

    Sem intervenções do Banco Central, a moeda norte-americana terminou o dia com cotação em queda. O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (28) vendido a R$ 3,498, com recuo de R$ 0,027 (-0,76%). A última vez em que a cotação no fechamento ficou abaixo de R$ 3,50 foi no dia 14 (R$ 3,476).

    A moeda operou em queda durante toda a sessão. Na mínima do dia, por volta das 13h, chegou a ser vendida a R$ 3,482. A divisa acumula queda de 2,74% em abril e de 11,4% em 2016.

    Como nos últimos dias, o Banco Central não promoveu intervenções para segurar a queda da moeda norte-americana. Desde segunda-feira (25), a autoridade monetária deixou de leiloar contratos de swap cambial reverso, que funcionam como compra de dólares no mercado futuro.

    No mercado de ações, o dia foi de realização de lucros. O índice Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, caiu 0,3%, para 54.312 pontos, depois de ter fechado a sessão de ontem no maior nível em 11 meses.

    Além do clima político interno, o mercado financeiro foi influenciado pela decisão do Banco Central americano de manter os juros básicos dos Estados Unidos entre 0,25% e 0,5% ao ano. No Brasil, o Comitê de Política Monetária manteve a taxa Selic em 14,25% ao ano pela sexta vez seguida.

    A combinação de juros mais altos nos países emergentes e juros baixos em economias consolidadas estimula a vinda de capitais estrangeiros para o Brasil. Isso porque os investidores internacionais são atraídos pela diferença de taxas.

    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Pesca esportiva movimenta R$ 70 milhões no Amazonas

    2. Você conhece o coworking? Compartilhamento de espaços para empresas está em alta

    3. Feira 'Tudo Para Casa' exibirá rochas ornamentais

    4. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    5. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil