Fonte: OpenWeather

    Economia


    Alimentos e remédios estão entre os vilões da inflação em abril

    Entre os vilões da inflação, só o item lanche -que engloba refeições feitas fora de casa foi responsável por 0,04 ponto percentual no índice– foto: Marcelo Camargo/ABr
    Entre os vilões da inflação, só o item lanche -que engloba refeições feitas fora de casa foi responsável por 0,04 ponto percentual no índice– foto: Marcelo Camargo/ABr

    Alimentos, remédio e serviços de saúde foram os itens que mais puxaram para cima a inflação de abril, que foi de 0,61%, segundo divulgou o IBGE nesta sexta-feira (6).

    Entre os vilões da inflação, só o item lanche -que engloba refeições feitas fora de casa, mas que não sejam necessariamente almoço ou janta- foi responsável por 0,04 ponto percentual no índice. Na virada de março para abril, o preço subiu 2,1%.

    Já a batata-inglesa, por exemplo, teve alta de 13,13%, tendo o mesmo peso do item lanche.

    Na parte médica, plano de saúde e remédio para pressão arterial tiveram altas importantes e representaram, cada um, 0,04 ponto percentual do índice.

    Só os remédios para pressão e colesterol (hipotensos e hipocolesterolêmico) tiveram aumento de 6,27% em abril. A alta de planos de saúde foi de 1,06%.

    Na outra ponta, produtos como energia elétrica, etanol e tomate deram contribuições positivas para o índice, ao registrarem queda de preços.

    Energia elétrica -maior vilã da inflação em 2015- recuou 3,11%. A queda do etanol, por sua vez, foi de 4,89%. O tomate, que também subiu muito de preço ao longo do ano passado, começa a ficar mais barato. O fruto registrou queda de 15,26% em seu preço em abril.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    2. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    3. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

    4. Comércio chega ao sétimo mês de crescimento e espera alta de até 5% no fim do ano

    5. Amazonas é o 5º na geração de empregos na região Norte e o 17º no Brasil