Fonte: OpenWeather

    Economia


    Setor de serviços tem queda de 4,5%, diz IBGE

    Em todo o país, o volume do setor de serviços caiu 4,5% em abril último em relação a abril de 2015. Houve variações negativas em todos os segmentos. No entanto, na mesma base de comparação, a receita nominal cresceu 0,4%, após de ter fechado em queda de 0,4% em março.

    Os dados foram divulgados hoje (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As informações indicam que tinham sido negativos os resultados do setor de serviços, que, em volume, fechou com quedas de 5,9% em março e de 3,9% em fevereiro deste ano.

    Com os números negativos de abril, os serviços fecham os quatro meses do ano (de janeiro e abril) com redução acumulada de 4,9% no volume, mas com expansão de 0,5% no acumulado do mesmo período para a receita nominal.

    Os dados indicam, ainda, que, na taxa anualizada (últimos doze meses), houve queda acumulada de 4,6% para o volume do setor serviços e crescimento de 0,6% para as receitas nominais, comparativamente a igual período imediatamente anterior.

    Números negativos

    Em volumes, a queda de 4,5% do setor de serviços indica variações negativas em todos os segmentos, com os serviços prestados às famílias e de serviços de informação e comunicação fechando negativos em 3%; de serviços profissionais, administrativos e complementares (-5,4%); transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (-6,5%) e outros serviços (-3,3%).

    As contribuições sobre a taxa global de volume foram: transportes, serviços auxiliares de transportes e correio (-2 pontos percentuais), serviços de informação e comunicação (-1,1 ponto percentual), serviços profissionais, administrativos e complementares (-1 ponto percentual), serviços prestados às famílias e outros serviços (-0,2).

    Resultados regionais

    Regionalmente, na comparação com igual mês do ano anterior, as maiores variações positivas em abril deste ano foram para Rondônia (7,2%) e Tocantins e Roraima, ambas com 6,5%. Já as variações mais negativas de volume ficaram com Amazonas (-15,3%), Amapá (-12,3%) e Paraíba (-11,2%).

    Ainda no âmbito da análise por regiões, entre as atividades turísticas, as maiores variações de volume ficaram em Pernambuco (4,5%) e Rio de Janeiro (0,5%). Já as menores variações de volume ocorreram em Santa Catarina (-12,8%), Paraná (-12,6%), Bahia (-11,0%), Rio Grande do Sul (-9,7%), Goiás (-5,8%), Espírito Santo (-5,6%), Ceará (-4,8%), Minas Gerais (-3,9%), São Paulo (-2,2%) e Distrito Federal (-1,6%).

    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Pesca esportiva movimenta R$ 70 milhões em Barcelos

    2. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    3. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    4. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    5. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios