Fonte: OpenWeather

    Economia


    Mercado de trabalho fecha mais de 72 mil vagas de emprego em maio

    O mercado de trabalho brasileiro voltou a registrar números negativos em maio com o fechamento de 72,6 mil vagas formais, segundo dados divulgados pelo Ministério do Trabalho nesta sexta-feira (24).

    Embora negativo, o número representa uma desaceleração em relação a maio de 2015, quando foram encerrados 115,6 mil postos. Na comparação com os dados de abril, que teve o fechamento de 62,8 mil empregos, ainda houve uma variação negativa de 0,18%.

    O estoque do emprego no Brasil em maio está em 39,2 milhões de trabalhadores com carteira assinada.

    Serviços (-36,96 mil postos), comércio (-28,88 mil postos), construção civil (-28,74 mil) e indústria de transformação (-21,16 mil) são alguns dos setores em que os cortes foram maiores. Mais uma vez, agricultura e administração pública foram os únicos de geração positiva, com 43,1 mil e 1,4 mil postos adicionados respectivamente.

    De acordo com o Ministério do Trabalho, "a redução do nível de emprego com carteira de trabalho no comércio deveu-se principalmente à perda de postos no comércio varejista (-23,33 postos)".

    No recorte por Estados, as maiores perdas ficaram em Rio Grande do Sul (-15,82 mil), Rio de Janeiro (-15,68 mil) e São Paulo (-12,17 mil).

    O mercado de trabalho brasileiro abriu o ano de 2016 com novos recordes na crise do emprego e a tendência de fechamento de vagas se manteve nos meses de fevereiro e março. Assim como nesta divulgação do mês de maio, o declínio já havia dado sinais de desaceleração em abril, quando o Ministério do Trabalho divulgou o encerramento de 62,8 mil postos, queda menos intensa em relação aos 97,8 mil registrados em abril do ano passado.

    O emprego vem sofrendo os efeitos da desaceleração econômica e do clima de incertezas em relação à retomada, prejudicado especialmente pelas demissões na indústria e na construção civil, com o fechamento de mais de 1,5 milhão de vagas em 2015, o pior resultado desde 1992, quando teve início a série estatística do governo.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    2. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    3. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

    4. Comércio chega ao sétimo mês de crescimento e espera alta de até 5% no fim do ano

    5. Amazonas é o 5º na geração de empregos na região Norte e o 17º no Brasil