Fonte: OpenWeather

    Economia


    Empresários cobram ação da Justiça sobre auditores

    Categoria quer com lentidão sobre os contêineres pressionar o governo federal a articular melhor forma de garantir reajuste ainda em agosto - foto: Ione Moreno
    Categoria quer com lentidão sobre os contêineres pressionar o governo federal a articular melhor forma de garantir reajuste ainda em agosto - foto: Ione Moreno

    O Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Fieam) aguarda mais celeridade da Justiça com o andamento da ação que o órgão moveu contra o Sindicato dos Auditores Fiscais no Amazonas (Sindifisco), para que a mobilização da categoria não resulte em mais prejuízos para a economia local.

    A categoria anunciou na última sexta-feira (30) que vai intensificar a operação padrão, nas terças e quintas-feiras, e reduzir ainda mais o serviço de triagens de mercadorias. Eles buscam pressionar o governo federal para que articule melhor forma de garantir o reajuste, ainda em agosto.

    Logo após o Sindifisco anunciar a mobilização no dia 14 de julho, já na semana seguinte, os associados do Fieam realizaram uma reunião extraordinária e decidiram entrar com uma ação no Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM), exigindo a liberação dos contêineres.

    O vice-presidente do Fieam, Nelson Azevedo, falou que o processo aberto no MPE-AM, busca evitar maiores prejuízos por conta da paralisação e entidade aguarda urgência no andamento do processo. “Essa ação é para liberarem as mercadorias ou então pelo menos não deixarem a liberação tão lenta.  Afinal de contas fica aquela operação padrão, que acaba não liberando nada”, comenta o Azevedo.

    “Esse é um momento realmente para tentar de qualquer forma, embora reconheça o direito de greve do trabalhador, mas agora era um momento para tentar liberar mercadoria principalmente dos associados do Centro da Industria”, finalizou o vice-presidente da Fieam.

    A mobilização dos auditores começou no último dia 14 de julho e na última sexta (30), anunciaram que iam estender a paralisação parcial até que o Governo atenda às exigências pedida em um Projeto de Lei enviado ao Congresso Nacional na semana passada.

    O presidente da Federação do Comercio no Amazonas (Fecomercio-AM) José Roberto Trados, explica que os prejuízos são para todos. “Na medida que não se repõe os estoques os títulos começam a vencer sem o empresário girar essa mercadoria, causando um prejuízo e quem acaba pagando a conta mais cara é o consumidor final”, disse o presidente.

    Segundo Trados, enquanto o Governo não responder a demanda, por conta de ainda estar em tratativas, os auditores poderiam postergar a mobilização até o caso de o Governo que não iria atender. “Os mecanismos de greve podem até ser legal, mas tem que olhar com bastante responsabilidade.

    José Roberto disse ainda que nesse momento o máximo que o Fecomercio pode fazer é pedir a retirada das mercadorias pelas próprias empresas, alegando prejuízos, nada além disso. “Temos que levar ainda esse assunto à reunião do conselho para que se tome ainda alguma atitude. Mas ainda não sabemos que tipo de atitude tomar contra os fiscais, porque o assunto é com o Governo do Estado diretamente”, disse o empresário.

    No dia 25 de julho o Sindifisco nacional enviou um Projeto de Lei ao Congresso Nacional cobrando o cumprimento do acordo de reajuste salarial de 21% com o Governo. Porém, o documento não foi homologado em regime de urgência e em forma de medida provisória, como queria a categoria. O que acarretou em intensificações na paralisação das operações para pressionar o Governo e fazer o processo andar mais rápido.

    Por Joandres Xavier

    Mais lidas

    1. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    2. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    3. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    4. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

    5. Comércio chega ao sétimo mês de crescimento e espera alta de até 5% no fim do ano