Fonte: OpenWeather

    Economia


    Produção industrial cresce 1,1% em junho, mas recua 9,1% no semestre

    Segundo dados do IBGE, a produção teve queda de 6% na comparação com junho do ano passado – foto: arquivo/ABr
    Segundo dados do IBGE, a produção teve queda de 6% na comparação com junho do ano passado – foto: arquivo/ABr

    A produção industrial no Brasil cresceu 1,1% em junho em relação a maio, indicando que o setor pode estar finalmente se recuperando das perdas registradas em meses anteriores, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados nesta terça-feira (2).

    O dado, porém, não foi suficiente para eliminar as perdas registradas até agora. No semestre, a queda acumulada foi de 9,1%. Em relação a junho de 2015, o recuo é de 6%. Nesta base de comparação, foi a 28ª taxa negativa consecutiva, renovando o recorde da série histórica da pesquisa, iniciada em 2002.

    Em maio, a produção industrial ficou estável, após ter crescido em março (1,4%) e abril (0,1%).

    Dos 24 setores acompanhados pela pesquisa, 18 tiveram aumento de produção em junho na comparação com maio, segundo o IBGE. A principal contribuição positiva veio de veículos automotores, reboques e carrocerias, com avanço de 8,4%. O ramo já havia crescido 5,5% em maio em relação a abril.

    O segmento perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene cresceu 4,7%, mesmo percentual de metalurgia. Houve contribuições positivas ainda de confecção de artigos do vestuário e acessórios (9,8%) e artefatos de couro, artigos para viagem e calçados (10,8%).
    Na ponta contrária, produtos alimentícios registraram queda de 0,7% na comparação com maio, enquanto o ramo de bebidas recuou 2,6%. O setor de papel e celulose caiu 2%.

    Na comparação com junho de 2015, 20 dos 26 ramos pesquisados tiveram queda, segundo o IBGE. As maiores retrações foram verificadas pelas indústrias extrativas -queda de 12,5%-, pressionadas pelo minério de ferro, e coque, derivados de petróleo e biocombustíveis (-13,2%).

    Produtos alimentícios acumula queda de 3,3%, enquanto veículos automotores, reboques e carrocerias caem 4,3%.

    As únicas altas no período foram registradas por outros produtos químicos (2,3%) e artefatos de couro, artigos para viagem e calçados (8,9%).
    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Pesca esportiva movimenta R$ 70 milhões no Amazonas

    2. Você conhece o coworking? Compartilhamento de espaços para empresas está em alta

    3. Feira 'Tudo Para Casa' exibirá rochas ornamentais

    4. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    5. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil