Fonte: OpenWeather

    Economia


    Custo da construção civil no Amazonas subiu 1,42% nos últimos 12 meses, diz IBGE

    O valor do metro quadrado no Amazonas fechou em R$ 988,25, no mês de agosto e em julho o custo ficou em R$ 990,08 - foto: Ricardo Oliveira

    O custo da construção civil no Amazonas subiu 1,42% nos últimos 12 meses, segundo cálculos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados do Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi) foram divulgados nesta sexta-feira (9).

    De janeiro a agosto de 2016, o Estado teve uma redução de 0,72%.  Em agosto desse ano, o custo ficou menor em 0,18%. Já no mês anterior a redução foi de 0,27%.  O valor do metro quadrado no Amazonas fechou em R$ 988,25, no mês de agosto e em julho o custo ficou em R$ 990,08.

    Nacional

    O país registrou aumento de 0,24% no custo do metro quadrado em agosto, acima do 0,2% registrado em julho. O Sinapi, calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em parceria com a Caixa, acumula taxa de 5,98% em 12 meses.

    O custo nacional da construção por metro quadrado subiu de R$ 1.009,76 em julho, para R$ 1.012,16 em agosto. No mesmo período, a mão de obra teve inflação de 0,53%, passando de R$ 481,79 para R$ 484,33 por metro quadrado. Já os materiais de construção tiveram deflação (queda de preços) de 0,03%, passando de R$ 527,97 para R$ 527,83 por metro quadrado.

    Quinze das 27 unidades da federação registraram aumento no custo da construção em agosto, com destaque para o Mato Grosso (5,06%) e Goiás (3,14%). No Acre, o custo manteve-se estável. Onze unidades tiveram queda no custo, com destaque para Minas Gerais (-0,32%).

    Por equipe EM TEMPO Online

    Com informações da Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    2. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    3. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    4. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

    5. Comércio chega ao sétimo mês de crescimento e espera alta de até 5% no fim do ano