Fonte: OpenWeather

    Economia


    Bancários não aceitam proposta de federação

    Há 30 dias em greve, os bancários não avançam nas negociações com os patrões e apenas quatro agências funcionam em Manaus - foto: Emerson Quaresma
    Há 30 dias em greve, negociações não avançam com os patrões e apenas quatro agências funcionam em Manaus - foto: Emerson Quaresma

    A Comissão Executiva Bancária Nacional de Negociação - (CEBNN/CONTEC) se reuniu na noite desta terça-feira (5) em São Paulo,  para debater com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) sobre a paralisação da categoria, que já dura 30 dias.

    Na reunião, a Federação apresentou uma contraproposta de 8% de reajuste salarial mais abono de R$ 3,5 mil. A proposta ainda contempla 10% de reajuste no vale-refeição e auxílio-creche e 15% na cesta alimentação, e em 2017, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumulado + 1% para os salários e em todas as verbas.

    Quanto aos dias parados, a Fenaban propõe a compensação de todos os dias sem prazo limite.

    Para a comissão nacional dos bancários, a contraproposta ainda é insuficiente, e por isto, vai insistir com os bancos na melhoria das negociações. A reunião entrou pela madrugada desta quarta-feira (6). Essa foi a 11ª vez que os patrões e os grevistas se reuniram para tentar concluir o caso.

    Os trabalhadores reivindicam reajuste de 14,78%, sendo 5% de aumento real, considerando inflação de 9,31%; participação nos lucros e resultados (PLR) de três salários acrescidos de R$ 8.317,90; piso no valor do salário-mínimo do Dieese (R$ 3.940,24), e vales alimentação, refeição, e auxílio-creche no valor do salário-mínimo nacional (R$ 880). Também é pedido décimo-quarto salário, fim das metas abusivas e do assédio moral.

    O presidente do Sindicato dos Bancários do Amazonas (Seeb), Nindberg Santos afirmou que em Manaus, a categoria está no aguardo do que for decidido na capital paulista. “Estamos esperando o que a comissão nacional irá definir, e só após isto reiniciaremos as atividades”, declarou.

    Por João Paulo Oliveira/Portal EM TEMPO