Fonte: OpenWeather

    Economia


    Vieiralves dribla a crise com os pratos executivos

    Os restaurantes do Vieiralves oferecem, todos os dias, opções com preços populares e chegam até a surpreender os consumidores que, geralmente, esperam encontrar um valor bem mais elevado que o praticado - foto: Márcio Melo

    Os manauenses, mesmo com a crise, não deixaram de comer fora de casa e têm procurado por opções de pratos mais acessíveis na hora das refeições. O Vieiralves, situado na Zona Centro-Sul de Manaus, é conhecido por oferecer uma diversidade gastronômica em inúmeros estabelecimentos.

    Os restaurantes, entre os já renomados e os novos, estão se adequando ao novo perfil econômico dos clientes e figuram como novas alternativas para alimentação, com a opção de um menu mais em conta.

    Com a qualidade dos produtos mantida e com uma alimentação saudável, o Ruas Gourmet, situado na rua Rio Purus, é um dos restaurantes mais procurados na área por oferecer, todos os dias, uma das opções da casa com preço popular. Com apenas R$ 12, o cliente pode saborear o prato do dia que contém uma proteína e mais três opções do cardápio.

    A sócia do restaurante, Sandra Santos, 55, disse que a principal proposta do empreendimento é oferecer alimentação de qualidade com preço atrativo, principalmente, para os funcionários de empresas instaladas no bairro.

    “Muita gente acha que, pelo fato de oferecermos um prato com preço acessível, a qualidade da comida vai cair. Mas não, nós oferecemos o mesmo prato com os produtos de primeira qualidade que os outros oferecidos no menu do restaurante. São quatro cardápios diferentes por mês, elaborados por um profissional da nutrição”, relata a empresária ao dizer que o local tem como carros-chefes as carnes grelhadas e sobremesas caseiras.

    Lucro

    Segundo Sandra, o lucro da casa não é alto, devido ao aumento dos preços dos produtos alimentícios. “O lucro é baixo, mas, ainda assim, estamos conseguindo manter o restaurante e a qualidade do que oferecemos. Nós ganhamos no volume da totalidade de pratos vendidos. Para diminuir os custos, nós trabalhamos com uma equipe reduzida de seis pessoas. A maioria é da própria família. Nós nos preocupamos em gastar menos, procurando ofertas de produtos de qualidade, desligamos os equipamentos e as luzes fora do horário de atendimento e evitamos o desperdício na cozinha”, explica Sandra, que abriu o Ruas Gourmet há apenas seis meses.

    Preços em conta

    Por estar instalado em uma área nobre da cidade, o Vieiralves é conhecido por possuir vários empreendimentos com “valor agregado”. Contudo, quando se leva em consideração os cardápios de alguns estabelecimentos de “primeira linha”, os valores dos pratos executivos ou comerciais são bastante atrativos para todos os bolsos, o que desmistifica o conceito usual sobre o bairro ser mais elitizado.

    Para driblar a crise e conquistar novos clientes, a proprietária da panificadora Bella Vieiralves, na rua Rio Madeira, Ana Cláudia, 44, decidiu expandir os negócios e começou a oferecer opções de almoço executivo no horário em que o empreendimento ficava ocioso.

    “O horário do almoço era o momento em que poucas pessoas procuravam a padaria. Então, vimos a oportunidade de ganhar dinheiro e proporcionar, principalmente às pessoas que trabalham nos comércios e escritórios da redondeza, mais uma opção de almoço. Uma alimentação barata, com pratos executivos, refeições para viagem e sopas, que cabe no bolso de qualquer um”, salienta.

    A Bella Vieiralves oferece opções a partir de R$ 11 com a quentinha, R$ 14 para os pratos comerciais, consumidos no local, e R$ 18 para os executivos, que podem conter uma variedade maior do buffet, como pirarucu e picanha por exemplo. Ana Cláudia também afirmou que a margem de lucro é baixa.

    Bruna Souza
    EM TEMPO

    Mais lidas

    1. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    2. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    3. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    4. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

    5. Comércio chega ao sétimo mês de crescimento e espera alta de até 5% no fim do ano