Fonte: OpenWeather

    Economia


    Amazonas reduziu em 41% o número de empregos formais

    AM reduziu as perdas de empregos formais, em 2016 - Arquivo AET

    O Amazonas apresentou uma redução de 41% nas perdas de empregos formais, em 2016. No ano passado, foram 5.032 vagas de empregos formais perdidas. Apesar de expressivo, o número é positivo em relação a 2015, quando o Estado perdeu ainda mais empregos, 8.636.

    Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (20) e constam no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, do governo federal.

    Em dados gerais, no Estado, foram admitidas 7.606 pessoas e desligadas 12.638, deixando o saldo negativo de 5.032 empregos e variação relativa de -1,20%. O setor que mais perdeu empregos em 2016, no Amazonas, foi o da indústria de transformação, com o fechamento de 1.539 vagas, seguido do setor de serviços (1.202) e o da construção civil (1.059).

    Nacional

    Em todo o país, foram fechadas 1.321.994 vagas, 14% a menos do que no mesmo período de 2015, quando o mercado perdeu 1.534.989 postos de trabalho, segundo dados do Caged.
    Apesar dos números ainda serem negativos, a comparação já mostra uma diminuição significativa no fechamento de vagas.

    Entre as 27 unidades da Federação, apenas Roraima encerrou 2016 com resultado positivo na criação de empregos formais. O estoque de vagas passou de 51.662 em dezembro de 2015 para 51.746 em dezembro de 2016 – uma alta de 0,16%.

    Os dados do Caged mostram também que o salário médio de admissão em 2016 caiu 1,09% em relação ao mesmo período do ano anterior, passando de R$ 1.389,19, em 2015, para R$ 1.374,12, em 2016

    Mais lidas

    1. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    2. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    3. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    4. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

    5. Comércio chega ao sétimo mês de crescimento e espera alta de até 5% no fim do ano