Fonte: OpenWeather

    Economia


    Passageiros desaprovam a cobrança por bagagens

    A partir do próximo dia 14 de março, passageiros que viajarem pela Gol poderão pagar a mais pelas bagagens - fotos: Márcio Melo

    A menos de um mês para começarem a valer as novas regras que geram cobrança no despacho de bagagens em voos comerciais no Brasil, apenas a Gol confirmou o início da cobrança de tarifa no próximo dia 14 de março. Latam e Azul ainda se preparam para definir a atuação de acordo com as normas diferenciadas.

    A população por outro lado discorda da mudança e acredita que o consumidor vai sair perdendo. As mudanças só começam a valer para passagens compradas a partir do dia 14 de março, antes disso nada muda.

    A Agência Nacional de Aviação (Anac) aprovou as novas regras para o transporte de passageiros no último dia 13 de dezembro de 2016, quando também incluiu o início da cobrança por despacho de bagagens.

    Atualmente é permitido que cada passageiro leve até 23 quilos de bagagens despachada e até 5 quilos de bagagens de mão. Com as novas regras, as companhias passarão a definir o pagamento de franquia pela quantidade de bagagem despachada e aumenta o limite de bagagem de mão para 10 quilos.

    No último dia 17, a Gol confirmou oficialmente que a partir do dia 14 de março dará início a cobrança por mala despachada. A empresa pretende dividir as franquias por peso das malas. Em contrapartida a companhia fará um preço mais barato para aqueles passageiros que comprarem a franquia de mala antecipada no site oficial da cia aérea.

    Amazonenses reclamam da nova medida

    O economista André Cardoso é um cliente da Gol e faz ao menos duas viagens todo mês com gastos aproximados de R$ 700 por ida e volta, apenas com passagens. Ele desaprovou totalmente a mudança porque as novas regras irão prejudicar o consumidor a partir do momento que as empresas não irão baixar o custo final das passagens como haviam prometido. “As empresas irão se aproveitar do momento para lucrar mais. A redução no valor da passagem não vai acompanhar o valor que vamos pagar nas bagagens”, explicou.

    Economista de carreira, André já iniciou um levantamento particular para saber quanto gasta agora antes de as mudanças começarem a valer, e depois quando as franquias já estiverem sendo cobradas para provar que os valores não serão reduzidos para o consumidor. “Essa medida vai impactar no nosso bolso. Cabe a sociedade se juntar contra essas mudanças que só vão trazer mais custos para a gente”.

    Indefinição

    Por outro lado, outras duas das três maiores companhias aéreas brasileiras ainda não têm data para começar a aplicar as mudanças. A Azul Linha Aéreas afirmou, em nota, que “ainda está em processo de definição sobre a mudança na regulamentação de franquias de bagagens. Assim que finalizada, a companhia divulgará a sua decisão”.

    A Latam Airlines Brasil também declarou que se prepara para implementar as medidas necessárias que compõem a revisão das Condições Gerais de Transporte Aéreo (CGTAs), alertando que manterá os seus clientes sempre informados de qualquer alteração que seja feita nos procedimentos.

    A empresa também alerta os passageiros que fiquem atentos às informações sobre as novas medidas, sendo importante frisar que elas só serão implementadas a partir de março deste ano, não havendo nenhuma alteração neste momento.

    Como ainda acontecerá a votação do projeto PDS 89/2016 na Câmara dos Deputados, que revoga as novas regras, a empresa comunicou que caso, eventualmente, haja alterações nas medidas já anunciadas pela Anac, a companhia irá se adaptar e cumprirá todas as regulamentações do setor.

    Joandres Xavier
    EM TEMPO