Fonte: OpenWeather

    Economia


    Firjan e Fecomércio pedem reformas para sustentar quedas nos juros

    A Selic caiu nesta quarta-feira (22) de 13% para 12,25% ao ano - Divulgação

    A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) avalia que a redução da taxa de juros deve ser acompanhada por medidas estruturais “que reequilibrem a situação fiscal do país e possibilitem o aumento da produtividade da economia”. A entidade acredita que são urgentes “a aprovação da reforma da Previdência e o reequilíbrio das contas públicas estaduais”.

    A entidade divulgou em nota que já era esperada a queda, pela quarta vez consecutiva, da taxa básica de juros Selic, “à medida que as estatísticas reforçam o quadro de queda da inflação e atividade ainda no campo recessivo”. A Selic caiu nesta quarta-feira (22) de 13% para 12,25% ao ano, um corte de 0,75 ponto percentual.

    Fecomércio

    A Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ) aponta também para a necessidade de reformas que “permitirão situação fiscal mais favorável”. Aliadas a uma inflação mais baixa, essas reformas, sustenta a entidade, abrem espaço para a continuidade da trajetória de queda dos juros.

    Em nota, a Fecomércio-RJ defendeu a redução dos juros no país. “Mesmo em meio aos recentes cortes na Selic, dados do Banco Central apontam que em 2016 houve encarecimento do crédito e aumento do spread bancário [diferença entre a taxa de captação paga pelos bancos e a taxa cobrada dos clientes] – para pessoas físicas [5,3 ponto percentual] e jurídicas [1,2 p.p.]. O corte das taxas de juros, ao reduzir o custo da tomada do crédito, é fundamental para a retomada do consumo, do investimento, do emprego e atividade econômica”, conclui a nota.

    Alana Gandra
    Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    2. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    3. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    4. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

    5. Comércio chega ao sétimo mês de crescimento e espera alta de até 5% no fim do ano