Fonte: OpenWeather

    Economia


    Amazonas fecha mais de 4,7 mil vagas de trabalho

    Os setores do comércio e da construção civil foram apresentaram os maiores números de fechamentos de postos formais de trabalho - Ione Moreno

    No primeiro trimestre do ano, o Amazonas encerrou 4.704 empregos com carteira assinada. Somente no último mês de março, foram fechadas 1,7 mil vagas celetistas desse total, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados ontem (20) pelo Ministério do Trabalho.

    Conforme os dados do Caged, os setores que mais encerraram os empregos neste primeiro trimestre do ano, no Amazonas, foram o comércio, com o fechamento de 1.652 vagas, a construção civil, com perda de 1,323 vagas, e, em terceiro, o de serviços, com menos 984 vagas.

    De acordo com o economista da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Amazonas (Fecomécio-AM), José Fernando Pereira, os números são um reflexo natural da instabilidade financeira que o país atravessa. “O volume de vendas caiu consideravelmente e houve também uma grande escassez de crédito”, afirmou.

    Ainda conforme o economista, o setor de serviços vislumbra uma melhora nos próximos meses. “Diferente do que acontece na indústria, serviços é um dos setores que mais demora a se recuperar, entretanto, a reação sempre é positiva, pois não está concentrada em uma bolha. É uma recuperação sustentável de toda a atividade”, explicou.

    Nós próximos meses, segundo o economista, a situação do setor de serviços poderá registrar uma melhora significativa. Para José Fernando, o mês de abril já apresenta um grande crescimento no ramo em comparação ao mês de março.

    Nacional

    O número de empregos formais no Brasil teve saldo negativo de 63.624 vagas em março, apontam dados do Caged. Apesar da queda, a redução no mesmo mês do ano passado foi quase o dobro, quando registrou retração de 118 mil postos de trabalho. No mês passado, o resultado foi positivo em 35.612 vagas de emprego.

    Março apresentou variação negativa de 0,17% em relação ao estoque do mês anterior. Foram registradas 1.261.332 admissões contra 1.324.956 desligamentos. No acumulado do ano, a queda foi de 64.378 postos de trabalho, diminuição de 0,17%, em comparação ao estoque de dezembro de 2016, e, nos últimos 12 meses, a redução foi de 1.090.429 postos de trabalho, retração de 2,77% no total de empregados com carteira assinada do país.

    “Os dados de março mostram que fatores sazonais e conjunturais influenciaram negativamente o mercado de trabalho. O governo esperava uma trajetória positiva no número de vagas formais de trabalho, em razão do bom desempenho verificado em fevereiro, mas os resultados gerais foram negativos”, explicou o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira.

    Alyne Araújo
    EM TEMPO

    Mais lidas

    1. Pesca esportiva movimenta R$ 70 milhões no Amazonas

    2. Você conhece o coworking? Compartilhamento de espaços para empresas está em alta

    3. Feira 'Tudo Para Casa' exibirá rochas ornamentais

    4. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    5. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil