Fonte: OpenWeather

    Economia


    Valor do gás de cozinha vai aumentar nos próximos dias

    A Petrobras destacou que o reajuste não tem incidência de tributos - Marcely Gomes

    As distribuidoras de gás de cozinha (Gás Liquefeito de Petróleo-GLP) ainda não aumentaram o preço do botijão de gás, que poderia chegar, nesta quarta-feira (11), até R$ 75, valor correspondente ao reajuste de 12,9%, anunciado  pela Petrobras. Em pontos de revenda, ainda é possível encontrar o produto, por no mínimo R$ 63. No entanto, empresários do setor aguardam acréscimo ser fixado, nos próximos dias, pela Fogás e Amazongás, para poder elevar o custo do produto.

    Ao falar sobre aumento, a Petrobras destacou que o reajuste não tem incidência de tributos. E, caso a diferença de preço seja repassada integralmente ao consumidor final, a estimativa é que o botijão de GLP P-13 suba em torno de 5,1%, em média, ou cerca de R$ 3,09 por unidade. Este repasse fica sob a responsabilidade das distribuidoras em cada região brasileira. Em Manaus, é possível encontrar botijas de gás de 13 quilos, com valor médio, de R$ 68.

    O presidente da Federação dos Revendedores de Gás do Amazonas (Fegas-AM,), Fernando Feitoza, defende que ao anunciar o aumento, as distribuidoras passam a revender já o estoque novo, porém a maioria dos pontos de revenda ainda permanecem com o acúmulo de produto, que continua a ser vendido com preço anterior.

    “Às revendedoras ainda passam alguns dias, ou até uma semana, com o mesmo preço estabelecido, mas quando há a renovação de botijas de gás, o estoque já vem com o novo preço”, detalha.

    Leia também:Preço do gás de cozinha sobe 12,9% a partir de amanhã

    Dessa forma, alguns pontos da cidade continuam vendendo gás de cozinha ao preço mais acessível. Um exemplo é o caso do revendedor da Fogás, Jaime Pontes, que mantém um estabelecimento na avenida Ramos Ferreira no bairro de Aparecida, Zona Sul.

    “Nosso preço continua o antigo de R$ 63 o botijão de 13 quilos, mas nesta quarta a Fogás já garantiu que em breve vai repassar o novo valor”, explicou.

    Alguns pontos da cidade continuam vendendo gás de cozinha ao preço mais acessível - Arthur Castro

    Jaime informou ainda que o reajuste anunciado em 26 de setembro pela Petrobras, de 6,9%, com aumento real de R$ 1,55, para o consumidor final, não foi adotado pela distribuidora e o preço antigo permaneceu na época.

    “Mesmo que aumente desta vez, a clientela não deixa de comprar porque é necessário, sempre vende gás”, finalizou o empresário.

    Outra empresária, Erika Santos, que revende botijões da AmazonGás, disse que o preço ainda deve demorar alguns dias para ser alterado, mas depende exclusivamente da mudança da concorrência primeiro. “Nosso valor sempre muda umas duas semanas após a Fogás anunciar por quanto vai revender, mas por enquanto continuamos com as vendas de botijão de 13 quilos a R$ 63 ”, salientou.

    Sobre repassar o preço ao consumidor final, Erika apontou que não tem riscos para as vendas e disse que o empresário precisa manter a margem de lucro. “Se o valor do gás aumenta para mim, também vou aumentar o preço da revenda dentro da margem de lucro que preciso para cobrir gastos. O que não posso é ganhar menos do que ganhava antes”, explica.

    A autônoma Cristina Barros comprou a última carga de gás de 13 quilos ainda por R$ 63, mas já lamenta o novo reajuste que vai encarecer o produto. “O preço vai ficar um absurdo e o salário não aumenta. Dia após dia, aumenta valor do gás, da gasolina e até energia. Logo vamos precisar cozinhar a lenha”, brincou. A botija de 13 quilos na casa da dona Cristina dura em média 45 dias.

    Joandres Xavier
    EM TEMPO

    Leia mais:

    Petrobras reduz preço da gasolina em 2,3% após série de altas

    Petrobras anuncia redução nos preços da gasolina e do diesel

    Nova fase da Lava Jato tem como alvo ex-diretor da Petrobras e do BB

    Mais lidas

    1. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    2. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    3. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    4. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

    5. Comércio chega ao sétimo mês de crescimento e espera alta de até 5% no fim do ano