Efeito dominó


Divórcio é contagioso entre amigos? Estudo avalia a hipótese

De acordo com os cientistas, as amizades e a própria família pode influenciar para o fim do matrimônio

Homens ou mulheres têm cerca de 75% de chances de se divorciar quando algum amigo próximo toma essa decisão | Foto: Shutterstock

Manaus - Se alguém ainda tem dúvidas de que amizades podem influenciar em decisões pessoais, como relacionamentos, a ciência vem trazer o veredito final. Cientistas da Universidade de Harvard, Brown e San Diego se reuniram para realizar um estudo que afirma que integrantes do círculo pessoal de uma pessoa podem definir o estado civil dela. Homens ou mulheres têm cerca de 75% de chances de se divorciar quando algum amigo próximo toma essa decisão.

De acordo com a psicóloga Luenda Lira, amigos divorciados ou solteiros se dispõem a fazer programas diferentes, portanto, o novo "estilo de vida" influenciaria os amigos comprometidos a seguir o mesmo comportamento, mas que cada um deve levar em consideração motivações pessoais, não apenas situações isoladas.

"A decisão de terminar ou não um relacionamento deve-se basear em motivações e não somente em um comportamento isolado. Cada relacionamento tem sua configuração subjetiva, logo as motivações para um possível término também serão particulares para cada indivíduo. É possível que a partir da condição do amigo divorciado, o indivíduo obtenha conclusões a respeito de suas próprias motivações", explica a psicóloga.

O estudo explica que quando uma pessoa tem algum familiar divorciado, como o irmão, as chances de divórcio são de 22%. Esse foi o primeiro estudo a avaliar como as amizades de uma pessoa podem influenciar relações românticas. Segundo os pesquisadores, as informações levantadas podem ajudar a entender e reduzir os efeitos adversos do divórcio, como o enfrentamento do término, e para levantar um debate importante: 43% dos casamentos nos Estados Unidos duram até 15 anos.

O estudo explica que quando uma pessoa tem algum familiar divorciado, como o irmão, as chances de divórcio são de 22%
O estudo explica que quando uma pessoa tem algum familiar divorciado, como o irmão, as chances de divórcio são de 22% | Foto: Shutterstock

Por que se divorciar?

O estudo foi feito com base nas relações de 12 mil pessoas que viviam na cidade de Framingham, na Nova Inglaterra. O efeito dominó é chamado, pelos pesquisadores, de "agrupamento de divórcios". Diversos motivos podem fazer com que um casamento chegue ao fim, como traição, brigas, ciúmes, monotonia, falta de interesse sexual ou qualquer condição que passe a ser desarmoniosa dentro da relação, conforme explica a psicóloga Luenda.

"São variadas as possíveis motivações para que um dos componentes da relação suscite essa ideia.  O importante é entender que há pendências a serem resolvidas, procurar ajuda profissional e elaborar as questões internas do casal caso seja a vontade dos dois em fazê-lo", afirma.

 Outros fatores que influenciam

A psicóloga Juanita Maia complementa e informa que outros fatores que podem influenciar para um divórcio são: a falta de comunicação entre o casal; falta de respeito e agressividade em palavras e ações; falta de intimidade e tempo para o casal; e a falta de projetos e sonhos em comum. Para evitar que isso aconteça, o casal pode tomar algumas atitudes como lembrar quais os motivos que fizeram a pessoa querer estar casado com o outro.

"O problema é que as pessoas têm uma tendência em desistir de situações que causam dor, desconforto e quando a relação começa a apresentar conflitos o cérebro manda a informação de que é uma situação desagradável e a nossa tendência é querer acabar a relação para evitar passar pelo processo de reconstrução, pois leva tempo, autoconhecimento e dedicação de ambas as partes", afirma a psicóloga.

Além disso, ela explica que o casamento é construção constante. É dedicação, entrega, respeito, diálogo, não querer mudar o outro, pois isso não é possível de conseguir, só se consegue mudar a si mesmo. Quando a mudança começa em si, automaticamente começa a acontecer uma mudança ao redor, as pessoas tendem a mudar também.

Leia mais

Uso de celular é o principal motivo das brigas de casal na pandemia

Saiba o que mudou na rotina de quem 'pula a cerca', durante a pandemia

Medo de se relacionar? Entenda por que os homens fogem