Fonte: OpenWeather

    Esportes


    Mogi das Cruzes cobra R$ 69 mil do São Paulo e da FPF por danos a estádio

    Para conter a confusão, a PM utilizou balas de borracha, bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo - foto: divulgação
    Para conter a confusão, a PM utilizou balas de borracha, bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo - foto: divulgação

    A prefeitura de Mogi das Cruzes encaminhou uma notificação extrajudicial nesta quarta (27), cobrando do São Paulo e da Federação Paulista de Futebol o ressarcimento de R$ 68.896,67 referentes aos danos causados pela torcida do clube, em partida contra o Rondonópolis, válido pelas oitavas de final da Copa São Paulo de futebol júnior, no dia 17 de março.

    Na ocasião, torcedores entraram em confronto com a Polícia Militar após uma tentativa de invasão ao estádio municipal Francisco Ribeiro Nogueira, no intervalo do jogo

    O estádio, que tem capacidade para aproximadamente 10 mil pessoas, estava com sua lotação máxima, mas quem estava do lado de fora queria entrar, e a PM interveio.

    Com a confusão do lado de fora, torcedores que acompanhavam o jogo dentro do estádio também começaram um confronto com os policiais, utilizando paus, grades de proteção, pedras e até mesmo os latões de lixo do local.

    Para conter a confusão, a PM utilizou balas de borracha, bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo. Mesmo após o reinício da partida, o confronto continuou nas arquibancadas atrás do gol.

    De acordo com a prefeitura, ao todo, 15 pessoas necessitaram de atendimento junto ao posto médico, mas não houve feridos graves.

    "Foi encaminhada uma notificação extrajudicial informando e comprovando os danos causados pela torcida organizada e pedindo, administrativamente, o ressarcimento dos valores. A Prefeitura entende que isso é algo consolidado, que não comporta negociação. Em caso de negativa ou de não resposta no prazo de 15 dias, será proposta uma ação judicial de cobrança, incluindo juros, correção, honorários advocatícios e todos os valores previstos em lei", afirmou a procuradora-geral do município, Dalciani Felizardo.

    A prefeitura informou que o valor engloba os danos à estrutura do estádio municipal e às viaturas que davam suporte ao esquema de segurança montado para a realização do jogo.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Treinadores reclamam da arbitragem no Amazonense de base

    2. Judoca amazonense disputa Mundial Júnior na Croácia

    3. Inscrições para 8º edição da Corrida Cidade de Manaus abrem nesta quarta

    4. Dificuldades em aprender Matemática? Escola promove Festival de Xadrez para auxiliar o aprendizado de alunos

    5. Brasil mantém 2ª lugar de ranking da Fifa; cabeças de chave são confirmados