Fonte: OpenWeather

    Esportes


    Mesmo sem atingir meta, COB comemora recorde de finais e 4º e 5º lugares

    Caio Bonfim bateu o recorde brasileiro e ficou em 4º na Marcha Atletica 20km - foto: Reprodução/Twitter Time Brasil
    Caio Bonfim bateu o recorde brasileiro e ficou em 4º na Marcha Atletica 20km - foto: Reprodução/Twitter Time Brasil

    O COB (Comitê Olímpico do Brasil) comemorou o desempenho da equipe brasileira neste Jogos do Rio, apesar de o país não ter alcançado a meta estabelecida pela própria entidade, há quatro anos, que era ficar entre os dez primeiros no quadro de medalhas.

    O Brasil conquistou sete ouros, seis pratas e seis bronzes, assim ficou na 13ª colocação dos Jogos pelo total de medalhas. O décimo colocado nesse critério foi o Canadá, com 22 medalhas.

    "[A meta] Tanto se mostrou factível que ficou a três medalhas da meta. O Brasil está no caminho. Precisamos de mais alguns quadriênios com esse investimento e planejamento para continuar crescendo. Vão nos levar a ser uma potência olímpica", completou Marcus Vinícius Freire, diretor executivo de esportes do COB.

    O Brasil ainda chegou a 71 finais, quase o dobro em relação a Londres-2012, quando foram alcançadas 36. Também ficou 19 vezes em quarto ou quinto lugares, em 11 modalidades diferentes.

    "O objetivo não é meramente numérico, é um todo", disse o presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman.

    "Dever cumprido, em uma Olimpíada com diversificação de resultados por continentes e países. Números dos primeiros [colocados] é abaixo do que eles vinham conquistando", completou Nuzman.

    O Brasil também aumentou a abrangência em número de modalidade que subiram ao pódio. Em Pequim-2008 foram oito, em Londres-2012, nove, e na Rio-2016, dez.

    "Mostra a qualidade do trabalho independentemente da medalha. Ganhar medalha é a melhor coisa do mundo, mas chegar [às finais] mostra que o trabalho foi bem feito", firmou Freire.

    O diretor disse que esperava mais uma medalha do judô, que conquistou três, e também acreditava que no vôlei, de quadra e praia, poderia ter conquistado mais uma medalha.

    Em relação à meta para Tóquio-2020, o COB disse que ainda vai conversar com as confederação -inclusive as cinco novas para a Olimpíada do Japão- para definir qual o objetivo em relação às medalhas.

    Freire, no entanto, ressaltou a necessidade de o investimento público federal de aproximadamente R$ 3,68 bilhões continuar sendo feito para o próximo ciclo.

    "As três ações principais do governo são leis: Incentivo, Piva e Bolsa Atleta. Esperamos que elas sejam renovadas, e devem acontecer. Outra coisa importante é que outras confederações vão continuar com patrocinadores privados. Muitos entenderam a importância e tiveram um retorno gigante com essa visibilidade. A grande maioria dos privados vai seguir nas modalidades", afirmou.

    O dirigente disse que o investimento das Forças Armadas também vai continuar.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Treinadores reclamam da arbitragem no Amazonense de base

    2. Judoca amazonense disputa Mundial Júnior na Croácia

    3. Inscrições para 8º edição da Corrida Cidade de Manaus abrem nesta quarta

    4. Dificuldades em aprender Matemática? Escola promove Festival de Xadrez para auxiliar o aprendizado de alunos

    5. Brasil mantém 2ª lugar de ranking da Fifa; cabeças de chave são confirmados