Fonte: OpenWeather

    Esportes


    Marquinhos vai de dispensável a titular de seleção na hierarquia de Tite

    O sistema meritocrático de escolha de jogadores para as equipes titulares do técnico Tite já é conhecido. Para o treinador, pouco importam o histórico, o nome e o grau de amizade dos atletas: quem estiver melhor, joga.

    Zagueiro titular da seleção brasileira na estreia do técnico na vitória por 3 a 0 sobre o Equador, na última quinta-feira (1º), Marquinhos desfruta hoje do lado positivo da moeda. Após ter sido observado pelo técnico nos treinos da seleção olímpica e na própria Rio-2016, da qual saiu com a medalha de ouro, ele ganhou a vaga ao lado de Miranda, superando Gil, conhecido do treinador, na disputa. Além disso, sua queda de braço com o PSG para disputar a Olimpíada também foi valorizada internamente como uma demonstração de vontade de representar a seleção brasileira.

    No entanto, ele já viveu o lado ruim da equação. Em 2012, recém-promovido da base do Corinthians pelo próprio Tite após boa campanha na Copa São Paulo, ele viu à sua frente uma fila de zagueiros composta de Chicão, Paulo André, Wallace e Felipe. Na ocasião, ele teve poucas oportunidades, e então foi vendido à Roma por 3 milhões de euros (R$ 12,7 milhões). Em entrevista ao SporTV em 2014, Mário Gobbi, então presidente do time paulista, disse que a "equipe técnica" havia avaliado Marquinhos como "franzino" e sem altura para ser zagueiro -Marquinhos mede 1,83m. Perguntado se Tite era a "equipe técnica", Gobbi desconversou.

    "Não fico chateado [com a saída do Corinthians com o aval de Tite], até porque tudo acabou dando certo na minha vida. Fui para a Roma, um grande projeto, depois o PSG. O Tite foi um treinador que me deu muita moral: fui o primeiro da Copa São Paulo que subiu; fui o primeiro a jogar como titular; e fui o único inscrito na Libertadores. O Tite tinha muita confiança em mim", disse o zagueiro após a partida contra o Equador.

    "Existia uma hierarquia, um tempo de adaptação. Eu era jovem, não era o mesmo Marquinhos que sou hoje. O Tite é muito correto. Se ele me colocou de titular, é porque confia em mim."

    As apresentações do zagueiro da seleção brasileira também têm servido como cartão de apresentação à boa parte dos torcedores brasileiros. Após menos de um ano na Roma, ele foi vendido ao PSG por 35 milhões de euros (R$ 127 milhões), em julho de 2013, configurando assim uma das piores negociações da história do Corinthians, que o havia vendido por um valor mais de dez vezes inferior um ano antes.

    No PSG, ele vinha sendo reserva de Thiago Silva e David Luiz nos últimos anos, e por isso aparece com menos frequência em um torneio pouco difundido no Brasil. Com a saída de David Luiz para o Chelsea, o zagueiro deve receber mais oportunidades entre os titulares. No início do ano, Marquinhos reclamou de sua condição: "um dia vou querer ter mais protagonismo", disse ao "Journal du Dimanche".

    Neste sábado (3), a seleção brasileira fará seu primeiro treino em Manaus, onde receberá a Colômbia na terça-feira (6) pelas eliminatórias sul-americanas da Copa de 2018.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Treinadores reclamam da arbitragem no Amazonense de base

    2. Judoca amazonense disputa Mundial Júnior na Croácia

    3. Inscrições para 8º edição da Corrida Cidade de Manaus abrem nesta quarta

    4. Dificuldades em aprender Matemática? Escola promove Festival de Xadrez para auxiliar o aprendizado de alunos