Fonte: OpenWeather

    Esportes


    Zagueira do Manaus FC escolheu o futebol em vez das passarelas

    - foto: Diego Janatã
    Vanessa Taube cresceu nas beiras de campo e teve o irmão como grande influenciador - foto: Diego Janatã

    Moda, futebol e um sonho: ser jogadora profissional. É assim que podemos resumir a vida de Vanessa Taube, zagueira do Manaus FC. Desde cedo sua vida teve um caminho entrelaçado com o esporte bretão, por influência de seu pai e irmão, que sempre a levavam para as assistir jogos.

    “Eu cresci nas beiras de campos, pois sempre acompanhava meu irmão e meu pai durante as partidas. Cresci vendo eles jogando e acabei sendo influenciada a praticar. Sou apaixonada pelo futebol desde os cinco anos de idade, ele faz parte da minha vida e desde lá nunca abandonei”, contou Vanessa.

    Um dos seus maiores influenciadores na prática esportiva, seu irmão Rubens Jardel, foi o primeiro da família a ter o futebol como profissão, e em 2003 mudou-se com toda a família para Goiânia, onde recebeu um convite para jogar no Atlético. Chegando lá, ele não foi o único beneficiado. Com 12 anos na época, Vanessa começou a treinar futsal em sua nova escola.

    “Minha mãe tinha medo de deixar meu irmão se mudar sozinho, então decidimos acompanhá-lo, pois assim também poderíamos incentivá-lo e estar por perto em qualquer ocasião. A mudança foi benéfica para mim também, pois a escola em que eu havia iniciado tinha aulas de futsal, e aquilo me motivou a continuar jogando bola e dar sequência à minha vontade de ser profissional, mesmo ainda sendo uma menina de apenas 12 anos”, recordou a zagueira.

    Depois de um tempo, a mãe de Vanessa, dona Sirlei Taube, passou a não gostar da prática esportiva escolhida pela filha, e impôs uma condição para a menina continuar jogando bola. Ela a matriculou num curso de modelo e só a deixava ir para o futsal se também se dedicasse à vida nas passarelas.

    “Minha mãe sempre sonhou em me ver como uma modelo profissional, e na época só fiz o curso para jogar bola, pois aquele era o único jeito que eu tinha de praticar.  Respeitei minha mãe e fiquei um bom tempo aliando as duas atividades”, explicou a jogadora.

    Novos rumos

    O que antes era uma imposição da mãe se tornou profissão e Vanessa ganhou reconhecimento, tanto que em 2009, ela se mudou para Manaus após o convite de uma agência de modelos. Ao chegar na capital amazonense, voltou a praticar o esporte que tanto amava numa faculdade, após ter a oportunidade de treinar por ter iniciado os estudos no curso de engenharia civil.

    “Chegando aqui comecei a me dedicar à moda, e não demorou muito para eu também me dedicar aos estudos. Foi quando iniciei o curso de engenharia civil, e na faculdade onde estudo comecei a disputar futsal representando a instituição. Lá foi onde também conheci o futebol de campo e comecei a ganhar reconhecimento de outros clubes, como o Manaus FC”, disse Vanessa.

    O ‘namoro’ entre a jogadora e o Gavião do Norte, virou ‘casamento’ em julho deste ano, quando passou a vestir a camisa da equipe. O sucesso no clube foi tanto que Vanessa, ao lado de suas colegas de equipe, chegaram a disputar a final do Campeonato Amazonense contra o Iranduba, terminando em segundo lugar.

    “Tudo o que tenho hoje eu devo ao Manaus FC, foi lá que ganhei reconhecimento, fiz grandes amigos e aprendi a amar ainda mais o futebol. Tudo aconteceu por um acaso em minha vida, comecei a trabalhar como modelo aqui na cidade e depois passei a fazer o que amo de verdade no Manaus FC, que é jogar futebol. Sempre guardarei este clube com muito carinho”, finalizou a jogadora.

    Por Wal Lima

    Mais lidas

    1. Treinadores reclamam da arbitragem no Amazonense de base

    2. Judoca amazonense disputa Mundial Júnior na Croácia

    3. Inscrições para 8º edição da Corrida Cidade de Manaus abrem nesta quarta

    4. Dificuldades em aprender Matemática? Escola promove Festival de Xadrez para auxiliar o aprendizado de alunos

    5. Brasil mantém 2ª lugar de ranking da Fifa; cabeças de chave são confirmados