Fonte: OpenWeather

    Esportes


    Rogério Ceni não é mais técnico do São Paulo

    Mesmo ídolo, Ceni não suportou a pressão por resultados - Divulgação/São Paulo FC

    O São Paulo anunciou nesta segunda-feira (3) a demissão do técnico Rogério Ceni. O ex-jogador do clube foi contratado no final de 2016, mas assumiu a equipe em 2017.

    "O São Paulo FC comunica que Rogério Ceni deixa o comando técnico de sua equipe principal. Em sua passagem como treinador, Ceni demonstrou a dedicação e o empenho que o caracterizaram como atleta. Desejamos boa sorte a este que sempre será um dos maiores ídolos de nossa história", informou o clube em comunicado.

    "O respeito e o reconhecimento pela grandeza de Rogerio Ceni, como figura histórica desta instituição, serão eternamente celebrados", afirmou o presidente da equipe, Carlos Augusto de Barros e Silva.


    Dia 15 de setembro de 2013. Foi nesta data que, pela última vez, o São Paulo havia frequentado a zona de rebaixamento do Brasileiro.

    Neste domingo (2), depois de quase quatro anos, a ameaça de cair para a Série B voltou a atormentar os são-paulinos. Com a derrota por 2 a 0 para o Flamengo, na Ilha do Urubu, pela 11ª rodada do torneio nacional, a equipe treinada por Rogério Ceni caiu para a 17ª posição, a primeira que compõe a faixa dos quatro que serão rebaixados à Série B em 2018.

    Leia mais: Rogério Ceni é o novo técnico do São Paulo; contrato será de dois anos

    O São Paulo igualou-se com o Bahia em pontos (11), em número de vitórias (três) e no saldo de gols (-1). Porém, o time de Salvador, que empatou em 0 a 0 com o rival Vitória na rodada, leva vantagem nos gols marcados (13 contra 10), o terceiro critério de desempate do Brasileiro, empurrando o time do Morumbi para a zona de risco.

    Sob o comando do ídolo, estreante como treinador, o time conviveu com altos e baixos e amargou três eliminações em mata-matas nesta temporada: Paulista, Copa do Brasil e Sul-Americana.

    Soma-se agora uma nova preocupação: manter-se na elite nacional.

    ZONA DE RISCO

    Caindo na tabela, tricolor tenta novo ânimo - foto: Rubens Chiri/São Paulo FC

    Sem vencer há seis rodadas pelo Campeonato Brasileiro e em meio a uma reformulação do elenco - foram 15 contratações e seis jogadores vendidos em 2017 -, o time flerta com situação pouco comum em sua história: lutar para não ser rebaixado.

    Desde a adoção do sistema por pontos corridos no Brasileiro, em 2003, a equipe paulista frequentou a zona de rebaixamento em apenas seis oportunidades: 2003, 2005, 2008, 2009, 2012 e 2013.

    O período de maior risco foi em 2013, quando ficou 12 rodadas no chamado Z4. O São Paulo viveu uma temporada conturbada, com quatro técnicos diferentes à frente do elenco - Ney Franco, Milton Cruz, Paulo Autuori e Muricy Ramalho. Este último conseguiu a reação necessária para fugir da Série B na ocasião.

    Folhapress
    EM TEMPO

    Mais lidas

    1. Treinadores reclamam da arbitragem no Amazonense de base

    2. Judoca amazonense disputa Mundial Júnior na Croácia

    3. Inscrições para 8º edição da Corrida Cidade de Manaus abrem nesta quarta

    4. Dificuldades em aprender Matemática? Escola promove Festival de Xadrez para auxiliar o aprendizado de alunos

    5. Brasil mantém 2ª lugar de ranking da Fifa; cabeças de chave são confirmados