Fonte: OpenWeather

    Esportes


    Amazonense sonha com vaga na seleção brasileira de handebol

    Sonho do atleta é fazer parte do grupo adulto e participar de uma olimpíada - Fotos: Divulgação

    De Parintins para o mundo ver. A frase que faz parte da música de mesmo nome do Boi Garantido explica muito bem o momento vivido por Pedro Augusto Teles Mota, 18. Natural da Ilha Tupinambarana, ele é o primeiro amazonense a fazer parte da seleção brasileira de handebol. No mês de abril, o baré disputou o Pan-Americano Juvenil pela equipe verde e amarela, realizado em Santiago, no Chile. Na decisão, o time canarinho ficou em segundo lugar, perdendo a final para Argentina, por 27 a 26.

    Revelado na Associação Esportiva de Manacapuru, em 2010, ainda na categoria infantil, o atleta amazonense disse que tem vivido um sonho de criança ao defender a seleção brasileira, e, acima de tudo, a chance de participar as competições internacionais.

    Leia também: Handebol ganha adeptos e cresce no Amazonas

    Pedro Augusto atuando pela seleção brasileira juvenil no Pan-Americano de Santiago (CHI)

    “Sempre sonhei em jogar na seleção e trabalhei para que esse resultado fosse obtido. É minha primeira vez. Sempre fui dedicado no que faço, sempre quis aprender mais, evoluir e conquistar meu espaço, seja onde eu jogar. É a melhor oportunidade que tenho na vida, estou muito feliz de jogar pela seleção brasileira. É uma sensação única e tenho muito orgulho de ser o primeiro amazonense a jogar pelo Brasil”, comentou.

    Para Pedro, o fato de integrar a equipe brasileira, é algo para ser comemorado, pois mostra que o Amazonas tem talento. Ele ressalta que este momento foi construído com muito trabalho e dedicação ao esporte que prática. Para ele, a meta é crescer dentro da modalidade e, quem sabe, chegar à seleção principal.

    “Avalio como mérito meu e tenho que continuar trabalhando, pois estou concorrendo com atletas de todo Brasil. Sempre tenho que evoluir, se quero continuar. Essa oportunidade pode abrir portas para seleção adulta, pois a equipe é formada por gerações e gerações, ou seja, se continuar trabalhando na seleção de base, acredito que posso jogar uma olimpíada pelo Brasil”, avaliou.

    O atleta também foca toda sua preparação para disputa do Mundial da categoria, em agosto, na Geórgia

    Além do trabalho na equipe do Taubaté, o atleta também foca toda sua preparação para disputa do Mundial da categoria, em agosto, na Geórgia. Segundo Pedro, a possibilidade de disputar a competição será o ápice em sua carreira, por isso, ele está ansioso, mas concentrado para ter um bom desempenho com a seleção brasileira.

    “Minha expectativa é grande, pois será um grande momento na minha vida, ou talvez até o melhor. Será meu primeiro mundial, pretendo dar o melhor de mim, pois serei reconhecido e até posso me manter na seleção nos próximos anos. Estou fazendo uma preparação muito forte aqui no clube, treinando e fazendo academia todos os dias, pois quero ser convocado e fiz uma competição no Brasileiro, onde estavam os diretores da seleção assistindo. Creio que posso ser convocado para esse Mundial”, citou.

    Paulo Rogério
    EM TEMPO

    Leia mais:

    Zezão HC e Adalberto Valle conquistam Taça Laércio Miranda de Handebol

    Botonistas amazonenses são convidados para ‘Copa do Brasil’ da modalidade

    Amazonense conquista bicampeonato brasileiro de Voleibol Sentado