Fonte: OpenWeather

    Atividade física


    Dança de salão pode ser alternativa para quem não gosta de musculação

    A dança promove uma melhora tanto na parte física de quem pratica, quanto na psicológica

    Manaus - Nos últimos anos, a dança de salão tem se popularizado e atraído adeptos, principalmente entre os mais jovens. Mais do que uma atividade física e de socialização, a dança de salão pode trazer vários benefícios para a saúde de quem pratica.

    Segundo o professor e coreógrafo da Fórmula Academia, Andrew Rogger, a dança pode ser uma alternativa de exercício para quem não gosta de praticar musculação na academia.

    “Por ser uma atividade dinâmica, que envolve vários ritmos musicais, e o aluno precisa aprender coreografias diferentes em todas as aulas, acaba sendo bastante atrativa”, ressaltou.

    A dança de salão, diz ele, é composta por vários ritmos, que vão desde os mais lentos, como o bolero, até os mais agitados e sensuais, como a salsa, tango, forró e samba de gafieira.

    O coreógrafo destaca que a dança promove uma melhora tanto na parte física de quem pratica, quanto na psicológica.

    “Nas aulas, é possível notar uma mudança de comportamento significativa nos alunos. Os tímidos tornam-se mais sociáveis. A confiança e autoestima de quem dança aumenta”, frisou.

    Leia também:  ‘Agora é Festa’ reúne 20 mil pessoas na Zona Leste de Manaus

    De acordo com Andrew, a dança de salão ajuda na melhora do preparo físico e desenvolvimento cardiovascular, porque, durante as aulas, há uma aceleração dos batimentos cardíacos, devido à intensidade do exercício.

    Outra vantagem da dança de salão é a perda de calorias. Em uma aula de 50 minutos é possível perder de 300 a 500 calorias, dependendo do ritmo que está sendo praticado e da intensidade. A dança também contribui para redução do estresse.

    “Durante a aula, o cérebro libera endorfina, dopamina e serotonina, hormônios responsáveis pelo prazer e o relaxamento”.

    Outra vantagem para a saúde de quem pratica dança de salão é o desenvolvimento da musculatura de todo o corpo e, consequentemente, melhora do equilíbrio e coordenação motora. “Apesar de não envolver diretamente o trabalho muscular, a dança de salão trabalha o corpo todo, deixando-o mais tonificado, mas sem exagero”, reforçou. A memória também é beneficiada pela dança de salão, já que as coreografias precisam ser decoradas, para serem colocadas em prática.

    “Muitos alunos aproveitam para ir com o marido ou a esposa, mas se não tiver par, é possível conhecer uma pessoa no local. O importante é praticar uma atividade física”.

    Tipos de danças:

    Samba – Criado na década de 20, o ritmo foi muito influenciado pelo Maxixe. É uma dança tradicional nas gafieiras cariocas. Dançado a dois, o ritmo faz os pares percorrerem rapidamente o salão em movimentos contagiantes.

    Salsa – Muito conhecida, a salsa tem origem nos anos 60, em Cuba. A dança pode ser feita com ou sem contato entre os parceiros. Tem movimentação dos ombros, quadris e braços e, geralmente, é dançada em ritmo acelerado.

    Bolero – É uma dança de origem espanhola desenvolvida no final do século XVI. No Brasil, o bolero sofreu influências do tango, incorporando giros e caminhadas, fazendo os pares deslizarem pelo salão.

    Tango – O tango é mundialmente conhecido como um ritmo argentino. Dançado para cortejar damas, foi proibido durante muitos anos por incentivar passos sensuais e rostos colados. Extremamente envolvente, o tango é feito com rodopios e movimentos das pernas.

    Forró – Surgiu no início do século 20 nas casas de dança nordestinas. Sempre dançado a dois, o forró pode misturar outros estilos como o xaxado e o baião.

    Leia mais

    Começa a curadoria do 9º festival de dança ‘Mova-se’

    Ufam promove espetáculo de dança gratuito no Cento de Artes da escola

    Manaus recebe festival internacional de BreakDance