Fonte: OpenWeather

    Futebol Internacional


    Conmebol estuda mudar sede do Paraguai após polêmica na Justiça

    Durante o processo judicial que moveu contra a Conmebol, a reivindicação de Ismael Antonio Pintos foi indeferida em primeira instância

    A entidade revelou esta possibilidade após ter sido condenada pela Justiça paraguaia a pagar US$ 10 milhões (cerca de R$ 32,8 milhões) de indenização a um ex-empregado | Foto: Divulgação

    Manaus - A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) estuda a possibilidade de sair do Paraguai, onde tem a sua sede na cidade de Luque desde 1986, em forma de protesto por uma alegada "insegurança jurídica" que diz enfrentar no país. A entidade revelou esta possibilidade após ter sido condenada pela Justiça paraguaia a pagar US$ 10 milhões (cerca de R$ 32,8 milhões) de indenização a um ex-empregado.

    O uruguaio Ismael Antonio Pintos, que durante quase 20 anos desempenhou a função de jornalista e cinegrafista, exclusivamente, para cobertura de atividades internas da Conmebol, ganhou esta disputa judicial iniciada em 2016 em um tribunal trabalhista de Luque, que fica na periferia de Assunção, capital nacional.

    Leia também: Conmebol adia decisão sobre Flamengo por episódios violentos 

    O paraguaio Alejandro Domínguez, atual presidente da Conmebol, afirmou em uma entrevista coletiva, depois de visitar o atual presidente do Paraguai, Horácio Cartes, que alguns dirigentes de federações insinuaram a necessidade de levar a sede do máximo organismo do futebol sul-americano para outro país.

    "Entreguei ao chefe de Estado uma carta da Conmebol em que as 10 associações sul-americanas, filiadas à entidade, protestam pela, suposta, insegurança jurídica no Paraguai", disse Alejandro Domínguez, que depois ameaçou. "A Conmebol corre perigo de sair do Paraguai".

    Durante o processo judicial que moveu contra a Conmebol, a reivindicação de Ismael Antonio Pintos foi indeferida em primeira instância, mas os tribunais de apelação revogaram a decisão inicial e a entidade acabou sendo condenada a pagar a milionária indenização ao seu ex-funcionário, que trabalhou para a confederação durante as gestões anteriores dos presidentes Nicolás Leoz, Eugenio Figueredo e Juan Ángel Napout.

    "Fui desvinculado da Conmebol quando assumiu a administração de Napout, em 2015, sem o pagamento de mais de 20 anos de serviço", afirmou Ismael Antonio Pintos, após a decisão judicial que o favoreceu, se referindo aos encargos trabalhistas que ele alegou que precisaria ter recebido depois de ter sido demitido.

    Nicolas Leoz, Eugenio Figueredo e Juan Ángel Napout são acusados de terem cometido atos de corrupção no processo de comercialização dos direitos de TV dos torneios organizados pela Conmebol, sendo que Alejandro Domínguez foi eleito presidente da entidade depois da revelação deste escândalo.

    Nicolas Leoz, de 89 anos, está em prisão domiciliar desde o dia 1.º de junho de 2015, sendo que em novembro passado a Justiça do Paraguai autorizou a extradição do dirigente aos Estados Unidos, onde o Departamento de Justiça do País solicitou pela sua presença após o ex-mandatário da Conmebol ser acusado de diferentes crimes financeiros.

    Juan Angel Napout está sendo julgado pelo Tribunal Federal do Brooklyn, em Nova York, onde José Maria Marin, ex-presidente da CBF, foi condenado, em dezembro passado, por seis dos sete crimes pelos quais havia sido indiciado no escândalo de corrupção da Fifa. Ele cumpre prisão em cadeia norte-americana atualmente. Napout, por sua vez, também já foi considerado culpado de três das cinco acusações de corrupção que recaíram contra ele, mas ainda aguarda a aplicação de sua sentença.


    Leia mais:

    Advogado embriagado é preso após tentar fugir de blitz em Manaus

    Van é apreendida ao transportar passageiros em compartimento de carga

    Mais de 100 pessoas foram multadas em R$ 500 por fazerem xixi na rua