Fonte: OpenWeather

    PSIQUIATRIA


    Antidepressivos não são única solução para a depressão: saiba mais

    Especialistas apontam que outros métodos de combater a depressão são tão eficazes quanto as medicações

    A depressão afeta quase 5% da população mundial, segundo a Organização Mundial de Saúde. Em meio à grande quantidade de pessoas diagnosticadas com a enfermidade hoje no mundo, há uma prática dos profissionais de saúde prescrever antidepressivos como a grande solução. | Foto: Reprodução

    Salvador - Segundo relatório divulgado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), em fevereiro do ano passado, mais de 320 milhões de pessoas sofrem com a depressão, quase 5% da população mundial. No Brasil, já são 17 milhões.

    Diante do expressivo número, uma recorrente solução usada pelos profissionais de saúde é tratar os pacientes com antidepressivos. Porém, nem sempre eles são tão eficazes quanto parecem – varia de acordo com a pessoa – e já existem outros métodos de tratamento que também podem auxiliar o sujeito no quadro depressivo.

    Leia mais: Delegacia da Mulher recebe carreta para atendimento à mulheres

    O que é?

    “A depressão, ao meu ver, é quando se enxerga tudo tão cinzento que se perde o prazer até pelas coisas que mais gostava. Nos tornamos pessimistas”, relata Lily Menezes, que sofre de depressão desde a adolescência. A estudante já fez terapia e hoje faz uso de antidepressivos. Apesar de ter ajudado, Lily confessa que ainda apresenta recaídas e oscilações de humor. “A saída é focar num objetivo quando as ideias ruins aparecem. Isso me dá um norte” desabafa.

    A fim de tentar entender a doença, a psicóloga e psicanalista Antônia Vieira diz que é preciso estudar a relação de quem está sofrendo com o objeto, ou seja, o que ocasionou a situação de melancolia. “Na depressão, com a perda do objeto, o que o sujeito deseja se torna impossível. Quando preso a esse impossível, ele se deprime e esmorece”, esclarece Antônia.

    Já a psicóloga Ana Bárbara Neves prefere não usar o termo depressão ou transtorno depressivo, e sim sofrimento. “Depressão é um termo que usamos para falar entre nós. Não busco classificações. Tento ouvir e respeitar a individualidade de cada um”, explica. Em seus atendimentos clínicos, admite que há uma causa comum dentre seus pacientes: a dificuldade de estar e sentir o presente, como se recusassem a viver a realidade.

    A causa

    O médico endocrinologista e psicanalista clínico, Ricardo Sinay, aponta que a causa da depressão também está ligada a carga genética da pessoa. Na depressão, o indivíduo consegue mudar sua estrutura genética, seja por um fator interno ou pelo próprio ambiente em que vive. A ciência que estuda a capacidade de os fatores externos alterarem a expressão dos genes chama-se epigenética.

    “A pessoa transforma a estrutura genética e o funcionamento dos hormônios do cérebro. A mudança também pode ser feita pelo ambiente, quando, após um trauma, você modifica sua estrutura cerebral”, explica Sinay. Diante disso, o ambiente social, a cultura em que se está inserido e a história familiar tem muita importância no acarretamento de um quadro depressivo, pois o estilo de vida pode mudar, em termos genéticos, o ser humano.

    Patologização do sofrimento

    Para a socióloga especialista em psicanálise, Soleni Fressato, algumas pessoas são erroneamente diagnosticadas, havendo um exagero do que seria somente um momento de tristeza ou luto.  “Existe um grande número de pessoas que não estão depressivas, e sim tristes ou em processo de luto, mas são diagnosticadas como tais para que a indústria farmacêutica continue vendendo antidepressivos”, denuncia.

    Fressato faz parte do grupo de pesquisa “crise da modernidade: objetividade e subjetividade dos processos sociais” do programa de Pós-Graduação de Ciências Sociais da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

    A psicóloga Ana Bárbara Neves confirma a tendência do uso de medicamentos para lidar com o sofrimento. Nos Estados Unidos, onde fez seu mestrado em Análise do Comportamento pela University of North Texas (UNT – EUA), ela observa que era uma prática muito comum e está cada vez mais frequente no Brasil. “Há uma pressa e uma imposição para negar o sofrimento e estar sempre bem”, explica.

    De acordo com um levantamento feito pela empresa americana IMS Health, a venda de antidepressivos e estabilizadores de humor cresceu 18,2% no Brasil em 2016, gerando uma movimentação de 3,4 bilhões de reais. Porém, é importante lembrar que o aumento da venda destes medicamentos não significa aumento da ocorrência da doença, e sim de seu diagnóstico.

    O problema não é prescrever antidepressivos para os pacientes, e sim apresentá-los como única forma de tratamento. Para Fressato, o acompanhamento profissional é em alguns casos mais eficiente do que o uso de substâncias. “Não há o conforto pela fala, que é a base do trabalho psicoterapêutico. Por isso, os sujeitos acabam sendo direcionados para o tratamento farmacológico, que surge como a única forma de enfrentar a dor”, explica.

    Tratamentos alternativos

    Existem diferentes tipos de depressão, a depender da causa, duração e dos sintomas. Portanto, a psicanalista e especialista em Saúde Mental, Antônia Vieira, afirma que não se pode pensar a doença de modo generalista. “São mais de dez classificações para a depressão na literatura. Não existe um padrão, cada um elege sua causa. Por isso, os sujeitos precisam ser pensados em suas singularidades”, relata Antônia.

    É nessa lógica de tratamento especializado que trabalha a psicóloga Ana Neves, que exerce a profissão desde 2004. Segundo ela, não existe uma receita para todos os pacientes. “As pessoas são diferentes e as ferramentas utilizadas com uma não necessariamente funcionam com outra”, explica.

    Em sua experiência clínica, Ana Bárbara admite que a utilização de medicamentos pode sim ser benéfica, porém, quando aliada a outras práticas, a exemplo, o uso de esportes, respiração, massagens, acupuntura, meditação, yoga, dança e outros. A escolha do tratamento é feita pelo próprio paciente.

    “Meu trabalho é pensar junto, nunca escolher por ele. Avalio junto os efeitos colaterais da utilização de cada uma dessas ferramentas, considerando as consequências a curto e longo prazo”, afirma.


    Leia também

    Alerta! Falta de higiene bucal pode matar

    Cuidados com a pele exigem uso do protetor solar

    Tem reumatismo? Veja mitos e verdades sobre a doença