Fonte: OpenWeather

    Coronavírus


    Ministro da Saúde Eduardo Pazuello em Manaus

    Eduardo Pazuello, Wilson Lima e David Almeida trabalham na abertura de novos leitos para fazer frente às gigantescas demandas da saúde no Amazonas

    Escrito por EM TEMPO no dia 13 de janeiro de 2021 - 18:01

     

    Ex-comandante militar da Amazônia, Eduardo Pazuello possui perfeita consciência do seu papel, atuando de corpo presente no Estado em uma hora angustiante
    Ex-comandante militar da Amazônia, Eduardo Pazuello possui perfeita consciência do seu papel, atuando de corpo presente no Estado em uma hora angustiante | Foto: Dhyeizo Lemos / Semcom

    A demorada presença em Manaus do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, mostra o apreço do Governo Federal pelo Amazonas, em um momento extremamente delicado com relação a pandemia que não cessa a sua fúria, dizimando vidas.

    A ação conjunta entre os governos Federal, Estadual e Municipal acaba de resultar na abertura de mais 60 leitos clínicos para pacientes com Covid-19 no Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV), sem contar 500 leitos que serão disponibilizados em unidades da rede estadual.

    Unidos, Eduardo Pazuello, Wilson Lima e David Almeida trabalham na abertura de novos leitos para fazer frente às gigantescas demandas que o momento impõe ao Estado. Graças à parceria, novos leitos clínicos e de UTI serão instalados no Hospital Nilton Lins, HUGV e Hospital Delphina Aziz, este contemplado com uma enfermaria de campanha montada com o auxílio das Forças Armadas.

    Ex-comandante militar da Amazônia, Eduardo Pazuello possui perfeita consciência do seu papel, atuando de corpo presente no Estado em uma hora angustiante. Sem ligar para críticas, ele dedica atenção máxima ao Estado, tendo assegurado que Manaus será a primeira cidade brasileira a receber a vacina antiCovid-19 ainda neste mês de janeiro.

    Com certeza, passado o clima da pandemia, todos perceberão os importantes avanços na estruturação da rede estadual e na rede municipal de saúde conseguidos em função dos esforços e das grandes ações de Pazuello. As duas redes, sem dúvida, passarão a dispor de melhor estrutura material, bem como estarão mais abastecidas de insumos e de bons recursos humanos para o exemplar atendimento à população.

    Contexto

    Pandemia faz Prefeitura de Manaus fechar escolas para provas do Enem 

    Com a pandemia descontrolada na capital do Estado, o prefeito David Almeida e o titular da Semed, Pauderney Avelino, decidiram não liberar escolas da rede municipal de ensino para a aplicação das provas do Enem previstas para domingo (17).

    Um ofício foi encaminhado, na manhã de ontem, ao Ministério Público Federal (MPF-AM) explicando os motivos da não liberação, motivos evidentemente relacionados à escalada da pandemia, já que o exame poderia resultar em mais aglomerações capazes de agravar a incidência da Covid-19 em Manaus.

    Ontem, em entrevista a um canal de TV, o governador Wilson Lima também se manifestou contrário à realização das provas em virtude da pandemia.

    Pauderney explica

    Para Pauderney Avelino, a realização do Enem domingo em Manaus “seria uma temeridade”.

    “Sabemos que a situação de Manaus em relação a pandemia não vai acalmar até domingo. Abrir as escolas para o Enem representa aglomeração na frente e no interior delas. Enviamos as nossas razões ao Ministério Público e também sugerimos que o Enem seja adiado”, afirmou o secretário.

    Pelo adiamento 1 

    A UNE (União Nacional dos Estudantes) e a Ubes (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas) apelaram ao Ministério da Educação em favor do adiamento das provas do Enem marcadas para o próximo domingo em todo o país.

    Segundo as entidades, o evento coloca em risco a segurança "em um ambiente de crescente contaminação, com milhões de pessoas fechadas em salas de aulas”.

    Pelo adiamento 2

    Autora de um documento enviado ao MEC solicitando o adiamento do Enem, a deputada Therezinha Ruiz (PSDB) disse ontem à coluna que está se mobilizando junto a bancada federal do Amazonas no Congresso Nacional buscando apoio para o adiamento das provas.

    “Recebi manifestações de pais e alunos pedindo o adiamento do exame, o que considero justo tendo em vista a escalada da Covid-19, doença causada por um vírus que está sofrendo várias mutações”, comentou a parlamentar, que espera uma decisão final do MEC sobre o adiamento do Enem até sexta-feira (15).

    DPE recomenda

    A Defensoria Pública do Estado (DPE-AM) e o Ministério Público (MP-AM) pediram ontem que as Prefeituras de Parintins, Nhamundá e Barreirinha, na região do Baixo Amazonas, suspendam a aplicação das provas do Enem.

    O evento, conforme a DPE, programado para o próximo domingo, contraria as orientações dos órgãos sanitários em sintonia com decretos governamentais que restringem a circulação de pessoas em razão da pandemia em todo o Amazonas.

    Wilson desabafa

    A situação da pandemia no Amazonas é mais preocupante do que se imagina e todos os recursos disponibilizados ao enfrentamento da Covid-19 se esgotam rapidamente, disse o governador Wilson Lima ao jornal Folha de São Paulo. 

    "Estamos vendendo o almoço para comprar a janta", desabafou.

    Oxigênio

    De acordo com Wilson, a nova carga com 200 cilindros de oxigênio desembarcada em Manaus na terça-feira (12) zerou em questão de horas.

    A esperança, para melhorar a situação, conforme ele, é a construção de miniusinas destinadas à produção de oxigênio. "O que chega substitui outro que está acabando, não dá tempo de guardar", expressou à Folha.

    Apesar de o Estado ter se preparado para encarar a fase roxa da pandemia, Wilson disse que não esperava a crise do oxigênio, razão por que faz agora suas apostas nas miniusinas que estão sendo construídas em tempo recorde.

    Prioridade Um

    Desfazendo mal-entendidos sobre a questão, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, garantiu ontem que Manaus será a primeira cidade brasileira a receber a vacina antiCovid-19.

    “Ninguém receberá a vacina antes de Manaus. As seis milhões de vacinas do Butantan estão prontas e guardadas em nosso depósito em Guarulhos. Assim que a Anvisa liberar, vamos vacinar ainda em janeiro”, assegurou Pazuello. 

    A vacina a ser distribuída em Manaus será a Coronavac, oriunda da China.

    Vacina em pó

    A empresa farmacêutica Pfizer está preparando uma versão em pó da vacina antiCovid que ela produz e que já está sendo aplicada na Europa e nos Estados Unidos.

    A novidade visa resolver sérios entraves para a vacina, que são a  distribuição e o armazenamento. O imunizante precisa ser conservado a uma temperatura de 70º Celsius negativos.

    Fake News

    A Folha de São Paulo destacou ontem a lei do Governo do Amazonas que determina punição a quem divulgar notícias falsas sobre pandemias e epidemias no Estado. 

    A cada infrator a lei prevê a aplicação da multa de R$ 1 mil a R$ 10 mil, valor que será revertido para o apoio do tratamento de epidemias.

    No âmbito federal, projeto do deputado Ronaldo Carletto (PP-BA) prevê multa de R$ 500 a R$ 10 mil a quem abusar de fake news referente à Covid-19.

    SES na Aleam

    Atendendo a convite dos deputados estaduais, o titular da SES-AM, Marcellus Campêllo, apresentou à Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa (Aleam) um balanço sobre as ações de enfrentamento à Covid-19 do governo Wilson Lima. 

    Marcellus destacou a parceria com o Ministério da Saúde, a abertura de leitos, os esforços para ampliar o quadro de profissionais das unidades de saúde, o reforço no abastecimento de estoque de oxigênio, além do suporte oficial para o abastecimento da Atenção Básica em Manaus.

    Além da SES, participaram da reunião representantes da UEA, UFAM e do MP-AM.

    Maguito Vilela

    O falecimento do prefeito eleito de Goiânia, Maguito Vilela (MDB), após três meses de luta contra o coronavírus, causou verdadeira comoção no Estado.

    Eleito sem fazer campanha, Maguito é um dos maiores políticos de Goiás em todos os tempos. Em 45 anos de vida pública, mudou de partido apenas na transição para a democracia, quando trocou a Arena pelo MDB. Além de prefeito eleito, foi vereador, deputado estadual e federal e vice-governador e governador, além de senador entre 1999 a 2007.