Fonte: OpenWeather

    Márcio Braz


    O legado de 'Tristes Trópicos'

    Em “Tristes Trópicos” estamos diante de uma obra prima da literatura mundial

    Pai da chamada antropologia estrutural, Lévi-Strauss buscou elucidar com sua obra a tentativa de compreender o “Outro” | Foto: Divulgação

    O antropólogo francês Claude Lévi-Strauss (1908 – 2009) é, sem dúvida, um dos mais importantes intelectuais da humanidade. Pai da chamada antropologia estrutural, Lévi-Strauss buscou elucidar com sua obra a tentativa de compreender o “Outro”, a cultura dos chamados povos primitivos, a estrutura e as leis que a regulam.  

    Em “Tristes Trópicos” estamos diante de uma obra prima da literatura mundial. Escrita inicialmente para ser um romance, a obra acabou tomando contornos paradoxais: ao se tentar buscar o antropólogo nos deparamos com o prosador, ao tentar se buscar o prosador nos deparamos com o antropólogo. Esta dualidade não se apresenta como um conflito sintático, mas aquilo que legitima e dá a singularidade ao livro. 

    Escrita quinze anos depois de seu trabalho de campo no Brasil, “Tristes Trópicos” é marcado por uma fina ironia, reflexão profunda e de expressão melancólica. A melancolia é expressa já no título do livro onde, segundo Lévi-Strauss, o pôr do sol visto no Brasil o remetia ao sentimento em voga.

    O antropólogo contribuiu de forma expressiva para que se diminuíssem as fronteiras cognitivas entre os povos. A reflexão para que a humanidade entendesse que o mundo é feito de povos e culturas das mais diversas, cujas práticas têm uma finalidade e importância para cada grupo, ganhou em “Raça e Cultura” a peculiaridade e a grandeza dos grandes mestres.

    “Tristes Trópicos” nos leva a pensarmos sobre diversos assuntos correntes em âmbito mundial. Na comunicação (todas elas) o que existe hoje é uma completa falta de informação sobre tudo; hoje, com a revolução informacional, não se pode tomar como desculpa o que já se está consolidado. Pelo menos em boa parte dos países, a comunicação é parte de suas dinâmicas, logo, a busca pela informação é mais uma questão de opção – esta formada pela educação – do que à revelia. 

    Sem dúvida, o legado de “Tristes Trópicos” pode ser entendido através de diversos matizes. Os vínculos entre os povos e a compreensão de suas identidades são aquilo que Lévi-Strauss chama de “antropologia”, uma linha que liga todos os povos e nos faz ser únicos, unos.