Fonte: OpenWeather

    Opinião


    Comunicação como instrumento de evangelização

                  Dom Sergio Eduardo Castriani - Divulgação

    “Não tenhas medo, que Eu estou contigo” (Is 43, 5). Comunicar esperança e confiança no nosso tempo. Eis o tema e o lema do 51º Dia Mundial das Comunicações, que se celebra em toda a igreja neste domingo da Ascenção do Senhor. O Concílio Vaticano 2º reconheceu a importância dos meios de comunicação social, dedicando-lhes um documento (Inter Mirifica – 1963). Quando McLuhan disse que o meio é a mensagem, expressou a realidade que mudava de acordo com as novas tecnologias. É preciso dominá-las se quisermos comunicar a Boa Nova que é sempre a mesma: Deus é Amor e em Jesus Cristo nós o encontramos.

    Amor é comunicação e o Deus que se revelou ao longo da história da salvação é compreendido e experimentado pelo povo de Deus como Trindade, três pessoas que se comunicam, a ponto de formarem uma verdadeira unidade, embora permanecendo totalmente independentes. A criação é a explosão do amor, e a criatura mais perfeita não podia deixar de ser imagem e semelhança do criador e por isso mesmo um ser que se realiza na comunicação consigo mesmo, com a natureza e com os outros. Desse mistério brotam as realidades humanas como a amizade, a sexualidade, o matrimônio, a família, a sociedade, a igreja. O primeiro meio de comunicação é o próprio corpo humano.

    Nada substitui a comunicação corporal, o toque, a voz, os gestos, a postura, os sorrisos, as lágrimas. A natureza também se comunica pela luz e pelo som. Extrair a luz e o som presentes na intimidade de minerais e vegetais, na rica biodiversidade dos diversos biomas é privilégio e missão de artistas. Quem sabe silenciar entra nesta dinâmica de comunicação que supera o espaço e o tempo. É a dinâmica do amor.

    O cristianismo é uma religião missionária, e isto quer dizer que se vê depositário de uma verdade que deve ser anunciada até os confins da terra e até o final dos tempos. Esta pretensão de universalidade tem que ser bem entendida. Não pode ser imposta e deve brotar do diálogo que reconhece no interlocutor uma verdade que deve ser respeitada. Missão é também animação e um esforço para reavivar as experiências de fé. Comunicamos mais que verdades, queremos fazer algo mais que suscitar sentimentos e divertir.

    O objetivo maior dos nossos meios de comunicação é levar os nossos interlocutores a um encontro pessoal com Jesus Cristo na sua humanidade que assumida até as últimas consequências o fez redentor. Porque estamos convencidos disso e usamos todos os meios a nossa disposição com competência e profissionalismo. Este é o nosso foco. Há quem tenha outras intenções.

    A concorrência neste campo é grande e pode nos amedrontar. Semear o pânico é uma forma de comunicação poderosa. A indústria da pornografia também se aproveita dos meios de comunicação para fazer fortuna desvirtuando os instintos naturais. Os escândalos que varrem a cena política pões às claras o quanto os meios de comunicação estão envolvidos. Devemos primar pela verdade, mas sem perder a esperança. E a esperança é fonte de alegria. A verdadeira comunicação nos liga aos mistérios do amor e isto nos enche de confiança na capacidade se superação que possui a humanidade que sempre nos surpreende.

    Dom Sergio Eduardo Castriani

    Artigo do Arcebispo Metropolitano de Manaus

    Mais lidas

    1. Brasil disputa prêmios de turismo entre os melhores do mundo

    2. Estados Unidos e Israel desejam sair da UNESCO

    3. 5 brincadeiras da sua infância que vão ajudar no desenvolvimento do seu filho

    4. Você sabe o que seu filho está fazendo na internet?

    5. Especialista explica o melhor uso para o tênis de rodinhas