Fonte: OpenWeather

    País


    Rio tem diminuição na procura por vacina contra o vírus HPV

    A procura pela segunda dose da vacina contra o papiloma vírus humano (HPV) em meninas de 11 a 13 anos, no Rio de Janeiro, diminuiu em relação à primeira fase da campanha, lançada em março deste ano.

    De acordo com dados da Secretaria Municipal de Saúde, na campanha atual, apenas 15% do público-alvo foi vacinado, enquanto que, no mesmo período de vacinação da primeira fase, 59,9% da meta de imunização já haviam sido alcançados. A segunda fase foi iniciada no início do mês.

    Segundo a Superintendência de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da Secretaria de Estado de Saúde do Rio, a diminuição na procura pode ter ocorrido a partir de boatos sobre reações adversas que a vacina causaria, já que em São Paulo houve internações de meninas após a aplicação da vacina, com sintomas como paralisia das pernas,  falta de sensibilidade nos membros e dores de cabeça, problemas atribuídos a reações psicológicas.

    O órgão, porém, considera que ainda não há certeza de uma explicação, visto que em outras campanhas a busca também é menor a partir da segunda fase.

    A Agência Brasil procurou a Secretaria Municipal de Saúde, mas a assessoria de imprensa informou que esse é um problema de âmbito nacional, não ocorrendo somente no Rio de Janeiro.

    Já a superintendência confirmou, por sua assessoria, que caso esse quadro seja confirmado nas próximas semanas, ou se houver indícios dessa possibilidade, a secretaria pretende iniciar uma campanha de imunização nas escolas, em postos volantes de vacinação e ainda ações comunitárias, para alavancar os índices de vacinação.

    A vacina tem eficácia comprovada na proteção de mulheres que ainda não tiveram contato com o vírus HPV, que também causa o câncer de colo de útero.

    Para ter a imunidade completa, as adolescentes precisam tomar três doses, sendo a segunda com seis meses e a terceira, cinco anos após a primeira. Em 2015, a vacina passa a ser oferecida para meninas de 9 a 11 anos e, em 2016, às de 9 anos. Além dos postos de saúde, as clínicas particulares também oferecem a vacina.

    Por Agência Brasil