Fonte: OpenWeather

    País


    Delegados pedem que cortes no orçamento não atinjam a Polícia Federal

    Delegados da PF protestam contra os cortes no orçamento - foto: reprodução
    Delegados da PF protestam contra os cortes no orçamento - foto: reprodução

    Representantes dos delegados da Polícia Federal de todo o país e do Distrito Federal promoveram hoje (6), em Brasília, um ato para que os cortes no Orçamento, a serem anunciados pelo governo federal, em meio ao ajuste fiscal, não afetem a polícia.

    No movimento Deixa a PF Trabalhar, os delegados criticaram o que classificaram de tentativa do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de limitar a ação da PF na Operação Lava Jato. Em abril, Janot divulgou nota afirmando que cabe ao Ministério Público Federal definir a estratégia de investigação da Operação Lava Jato.

    De acordo com o presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, Marcos Leôncio Ribeiro, o movimento tem como objetivo preservar as atribuições da PF, seja na questão orçamentária, seja no processo investigatório.

    “O que queremos dizer é: queremos fazer o nosso trabalho. Deem condições para que possamos fazer esse trabalho. Isso serve tanto para o Ministério do Planejamento, da Fazenda, como para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot”, explicou Ribeiro.

    Segundo o presidente da associação, nos últimos 12 anos, a PF tem vivido de ciclos, ora de investimentos, ora de aperto financeiro. Os cortes orçamentários, frisou Ribeiro, têm prejudicado a atuação da Polícia Federal e, se forem feitos este ano, há o risco, inclusive, de faltar dinheiro para o pagamento de combustível das viaturas.

    “Esse movimento demonstra a preocupação de que a gente não entre no pior dos ciclos, que é o declínio. Estamos fazendo um alerta para que a sociedade nos ajude a pressionar os poderes da República a aliviar os cortes e limitações sofrido hoje pela Polícia Federal”, disse.

    “Reconhecemos que os cortes não são exclusivos da Polícia Federal, mas temos uma dinâmica diferente. A operação policial tem o tempo dela e não podemos ficar aguardando que alguém autorize diárias, despesas para uma operação, porque ela tem que ocorrer naquele momento”, argumentou Ribeiro.

    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. MEC lança mestrado profissional para professores

    2. MST ocupa sede do Ministério do Planejamento em Brasília

    3. MEC prorroga para novembro prazo de aditamento do Fies

    4. Campanha Natal sem Fome é retomada depois de 10 anos

    5. Brasil tem 30 novos santos: papa canoniza mártires de Cunhaú e Uruaçu