Fonte: OpenWeather

    País


    Brasil não tinha motivos para subornar apoio para Copa, diz Dilma

    A presidente Dilma Rousseff afirmou ser "imprescindível" a apuração de irregularidades na Fifa, mas ponderou que o Brasil não tinha "nenhum motivo" para se ver envolvido em pagamento de propinas ou outros benefícios para sediar a Copa do Mundo de 2014.

    Na semana passada, um ex-integrante do comitê executivo da Fifa afirmou que houve pagamento de propinas nas escolhas das sedes da Copa do Mundo de 1998, na França, e em 2010, na África do Sul. Uma publicação alemã informou ainda que a Alemanha forneceu armamentos militares para a Arábia Saudita em troca do apoio à sua candidatura para a Copa de 2006.

    "O Brasil, como sendo o país que ganhou o maior número de Copas do mundo de todos os tempos, o país que fez ano passado, eu acredito, a Copa das Copas, não tem nenhum motivo para se engajar em qualquer processo de corrupção, de quem quer que seja, para trazer a Copa para o Brasil", afirmou a presidente para o canal francês 'France 24'. A entrevista foi ao ar nesta segunda-feira (8).

    Dilma reconheceu que há "indícios fortes" para a investigação sobre corrupção na entidade e afirmou que a indústria do futebol precisa ser "aberta e transparente".

    "NOVO AMBIENTE"

    Apesar de afirmar que o país não teria motivos para subornar apoio a sua candidatura, Dilma ponderou que se comprovada eventual irregularidade no processo, a sociedade brasileira tem "todo interesse" em identificar os envolvidos.

    "Esse processo foi gerado no Brasil e gerou muitos recursos durante a Copa, o que é muito bom para todo mundo, desde que seja de forma absolutamente transparente. (...) Caso não seja, pode ter certeza que o povo brasileiro tem todo interesse em saber quem é o responsável, quais são os responsáveis, puni-los e de fato garantir que o Brasil tenha um novo ambiente para o futebol."

    Segundo ela, "a própria Polícia Federal também está tendo que fazer uma investigação no Brasil".

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. MEC lança mestrado profissional para professores

    2. MST ocupa sede do Ministério do Planejamento em Brasília

    3. MEC prorroga para novembro prazo de aditamento do Fies