Fonte: OpenWeather

    País


    Em São Paulo, nível do sistema Cantareira volta a recuar e atinge 15,2%

    O sistema Cantareira, o maior de São Paulo e em situação mais crítica, voltou a ter recuo em seu armazenamento de água após permanecer estável por quatro dias.

    Os níveis dos demais reservatórios que abastecem a região metropolitana de São Paulo avançaram, com exceção do de Rio Grande, que se manteve estável. O reservatório de Guarapiranga já supera o acúmulo de água esperado para todo o mês de julho.

    De acordo com balanço da Sabesp divulgado nesta segunda-feira (6), o manancial recuou 0,1 ponto percentual e opera com 15,2% de capacidade. No último fim de semana, o manancial acumulou 11,7 mm de água. Até agora, o sistema já acumula 15,7 mm -o que corresponde a 31,4% do volume esperado para todo o mês de julho (50 mm).

    O Cantareira abastece 5,3 milhões de pessoas na Zona Norte e partes das zonas Leste, Oeste, Central e Sul da capital paulista -eram cerca de 9 milhões antes da crise da água. Essa diferença passou a ser atendida por outros sistemas.

    O percentual usado na medição do sistema Canteira tem como base a quantidade de água naquele dia e a capacidade total do reservatório, de 1,3 trilhão de litros e que inclui o volume útil (acima dos níveis de captação) e as duas cotas do volume morto (reserva do fundo das represas, captadas com o auxílio de bombas).

    Até então, o índice considerava o volume morto apenas na quantidade disponível, e não na capacidade total -sem ele, o sistema tem capacidade de 1 trilhão de litros de água. Essa é uma das três metodologias que a Sabesp usa atualmente para divulgar o volume do reservatório.

    Por Folha Press

    Mais lidas

    1. MEC lança mestrado profissional para professores

    2. MST ocupa sede do Ministério do Planejamento em Brasília

    3. MEC prorroga para novembro prazo de aditamento do Fies