Fonte: OpenWeather

    País


    Agentes penitenciários de SP entram em greve nesta segunda

    Os agentes penitenciários de São Paulo entraram em greve nesta segunda-feira (20). Segundo o sindicato da categoria, a paralisação acontece porque o governo estadual não cumpriu por completo o acordo que encerrou a greve do ano passado.

    O sindicato da categoria afirma que das 163 unidades prisionais, 106 paralisaram as atividades nesta segunda – 65% do total –, com 22.700 dos 35.000 agentes parados (64,8% do efetivo).

    Porém, de acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP), a greve desta segunda atinge somente 16 unidades prisionais. "E, mesmo assim, mais da metade delas (dez) estão funcionando normalmente, tendo apenas a entrada bloqueada por alguns grevistas", diz nota divulgada pela pasta.

    De acordo com o Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária do Estado de São Paulo (Sindasp), o Estado não arquivou os processos administrativos disciplinares contra os servidores que participaram da paralisação em março de 2014, nem criou o bônus que seria concedido anualmente.

    Entretanto, a SAP afirma que o acordo, firmado em ata lavrada, destacava que "eventuais excessos [dos grevistas] serão apurados dentro da legislação em vigor". A secretaria ainda diz que o presidente do sindicato "não deixou a questão bem clara" aos servidores que votaram pela nova greve, "levando a eles informações que não correspondem com a realidade, pois esse compromisso [de arquivar todos os processos administrativos] jamais foi assumido".

    Os agentes penitenciários também pedem reajuste pelos índices inflacionários e postura do governo estadual sobre a superlotação nos presídios. A categoria promete voltar ao trabalho somente quando o governo arquivar todos os processos e apresentar "definição concreta sobre a concessão do bônus".

    Entre os serviços que serão paralisados estão o recebimento de presos de cadeias públicas ou plantões policiais, atendimento a advogados, oficiais de Justiça e assistentes sociais e entrega de encomendas levadas por familiares aos detentos.

    Uma assembleia, que será realizada na quinta-feira (23), deve decidir se os grevistas vão autorizar ou não a visitação dos familiares aos detentos.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. MEC lança mestrado profissional para professores

    2. MST ocupa sede do Ministério do Planejamento em Brasília

    3. MEC prorroga para novembro prazo de aditamento do Fies