Fonte: OpenWeather

    País


    Diretor de unidade da Fundação Casa será afastado após relatos de tortura

    A Justiça de São Paulo determinou, em caráter liminar (provisório), o afastamento do diretor da unidade Guaianazes I, da Fundação Casa, localizada na Zona Leste da capital paulista. A decisão acontece após a Defensoria Pública de São Paulo entrar com uma ação na qual apresentou relatos de tortura e agressão contra os adolescentes na unidade.

    A Justiça também determinou que alguns servidores também fossem provisoriamente afastados de qualquer função que envolva contato com os adolescentes. A decisão foi publicada nesta segunda-feira (27).

    A Fundação Casa disse, em nota, que a instituição ainda não foi "notificada sobre o afastamento do diretor e de servidores do centro socioeducativo de Guaianazes I". Após ser notificada, segundo a Justiça, a instituição tem 24 horas para cumprir a decisão.

    A juíza Dora Aparecida Martins de Morais, da Vara da Infância e Juventude de São Paulo, determinou ainda que o diretor seja "impedido de atuar na unidade Guaianazes II" e que desempenhe "qualquer função que envolva contato direto com os internos de qualquer unidade da Fundação Casa".

    "Ao diretor cabe garantir aos internos tratamento digno e humano, o que não se coaduna com agressões rotineiras, ameaças, gritos, provocações, não oferta de cama e de cobertor em dias frios e assistência médica eficiente", apontou Moraes.

    A ação contra Fundação Casa, apresentada no dia 1° de julho, pedia ainda o fechamento da unidade Guaianazes I, devido às frequentes agressões praticadas contra os adolescentes no local.

    "Os fatos são notórios e conhecidos há pelo menos um ano e meio pela Corregedoria da Fundação Casa. Em julho de 2014, a presidência e a diretoria da Divisão Regional Metropolitana da Fundação Casa reconheceram em audiência que havia uma situação relacionada às agressões que precisava ser elucidada, e assumiram compromisso de regularizá-la o mais breve possível", apontou a Defensoria Pública, na ação.

    Relatórios psicossociais

    Na Fundação Casa, a antiga Febem de São Paulo, um mesmo jovem infrator é avaliado como "autocrítico" e "empático" na hora de ser liberado e como "imaturo" e "sem autocrítica" quando volta ao crime, com apenas um mês nas ruas.

    Esse adolescente, novamente internado, "recupera" a "autocrítica" e a "empatia" em sete meses na fundação e é solto. Mas, dois meses mais tarde, perde-as, "não reconhece seus erros", volta a infringir a lei e regressa, pela terceira vez, à instituição.

    Isso é o que mostram relatórios psicossociais da Fundação Casa, imprescindíveis para embasar decisões judiciais sobre adolescentes. A Folha teve acesso a relatórios de entrada e de saída de oito jovens do Estado.

    A Fundação Casa, vinculada ao governo Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou em nota que os relatórios psicossociais de avaliação dos internos são produzidos por profissionais capacitados que respondem aos conselhos de classe a que pertencem.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. MEC lança mestrado profissional para professores

    2. MST ocupa sede do Ministério do Planejamento em Brasília

    3. MEC prorroga para novembro prazo de aditamento do Fies

    4. Campanha Natal sem Fome é retomada depois de 10 anos

    5. Brasil tem 30 novos santos: papa canoniza mártires de Cunhaú e Uruaçu