Fonte: OpenWeather

    País


    Médicos residentes param por melhores condições de trabalho e ensino

    O dia hoje (24) começou com menor número de médicos nos postos de atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS) no Distrito Federal. Organizada pela Associação Nacional dos Médicos Residentes (ANMR), a paralisação foi feita em todos os estados, mas pelo menos 30% dos residentes mantêm as atividades para garantir o atendimento nas emergências.

    Em Brasília, a manifestação foi em frente ao Ministério da Educação (MEC), onde os participantes reivindicaram melhores condições de trabalho e ensino. Para a residente em ginecologia Luciana Viana, do Hospital Materno-Infantil de Brasília (HMIB), falta material para melhor aprendizagem.

    “Nós buscamos principalmente melhores condições de trabalho e ensino. Faltam materiais básicos e disponibilidade dos preceptores para ensinar aos residentes. Há pessoas para nos auxiliar, mas não há material para a melhor instrução”. Luciana disse ainda que falta fiscalização do MEC nos programas de residência médica.

    O ministério informou que se reuniu com representantes da ANMR na última sexta-feira (18). Ficou acertada a realização de três reuniões para discutir as diferentes reivindicações da categoria. As duas primeiras estão previstas para outubro e a terceira para novembro. O MEC também já apresentou à associação sua posição sobre cada um dos pontos reivindicados. A associação concordou em analisar o assunto e  retomar os temas durante as reuniões marcadas.

    No Rio, o ato público foi em frente à sede do Conselho Regional de Medicina do Estado (Cremerj), no bairro de Botafogo. Os manifestantes seguiram em passeata até o Palácio Guanabara, em Laranjeiras, na zona sul da cidade.

    Segundo o coordenador da Comissão de Médicos Recém-Formados do Cremerj, Gil Simões, as principais reivindicações são mais respeito à classe, a melhoria das condições de atendimento aos pacientes, a defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) e que a bolsa recebida pelas 60 horas de trabalho seja igual à de programas do governo como o Mais Médicos. "O Cremerj está oferecendo apoio à classe", disse Simões.

    A paralisação dos residentes foi decidida em assembleias, na última quarta-feira (16), em todo o país.

    No Rio, um dos principais objetivos do movimento é marcar uma reunião com o governador Luíz Fernando Pezão. De acordo com o presidente da Associação de Médicos Residentes do estado Diego Puccini, a categoria precisa estar unida e organizada para conseguir o atendimento de suas reivindicações. "Se houver descaso (por parte do governo), pensaremos em outra estratégia", afirmou Puccini.

    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. MEC lança mestrado profissional para professores

    2. MST ocupa sede do Ministério do Planejamento em Brasília

    3. MEC prorroga para novembro prazo de aditamento do Fies

    4. Campanha Natal sem Fome é retomada depois de 10 anos

    5. Brasil tem 30 novos santos: papa canoniza mártires de Cunhaú e Uruaçu