Fonte: OpenWeather

    País


    Grupo dá prejuízo de R$ 1,4 bilhão com fraude em licença de pesca, diz Ibama

    A organização criminosa suspeita de atuar na concessão ilegal de permissões de pesca industrial, desarticulada hoje (15) pela Polícia Federal, gerou R$ 1,4 bilhão em danos ambientais, segundo informações do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

    Durante a Operação Enredados, foram presas 19 pessoas, entre elas o secretário executivo interino do extinto Ministério da Pesca, Clemeson José Pinheiro da Silva, e o superintendente do Ibama em Santa Catarina, Américo Ribeiro Tunes.

    Em entrevista na tarde desta quinta-feira, a delegada Aletea Vega Marona, chefe da Delegacia de Meio Ambiente e Patrimônio Histórico da Polícia Federal em Porto Alegre, esclareceu que a organização criminosa agia de diversos modos, todos com objetivo de facilitar ou vender permissões do Ministério da Pesca.

    Segundo a PF, o esquema tinha participação de servidores públicos, representantes sindicais e intermediários. “A pesca, por força desses servidores públicos, em pontos estratégicos do alto escalão, estava ocorrendo, em sua maioria, sem nenhuma observância e com muito dano à natureza”, acrescentou Aletea. A delegada informou que as propinas chegavam a R$ 100 mil.

    “Todos os esquemas tinham um intermediário, que chegava ao servidor público defendendo o interesse da pessoa que se beneficiaria da licença. Cada servidor, dentro de sua atribuição, acabava buscando pareceres, documentos e forjando dados em documentos. Depois é que os pagamentos (proprinas) eram feitos.”

    Ao todo, 26 pessoas foram levados para depor. Os policiais também cumpriram 61 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Pará e Distrito Federal.

    A investigação começou há pouco mais de um ano, no Rio Grande do Sul. No período, a polícia apreendeu 241 toneladas de pescado. O Ibama lavrou 50 autos de infração ambiental, totalizando R$ 20 milhões em multas.

    A direção do Ibama informou que exonerou o superintendente em Santa Catarina, no cargo desde 26 de fevereiro de 2014, e determinou uma correição (fiscalização ) extraordinária na superintendência.

    A correição será coordenada pela Corregedoria do Ibama em Brasília, de modo a rever todos os atos sob suspeita.
    Na reforma administrativa anunciada pela presidenta Dilma Rousseff no início de outubro, a Pesca e Aquicultura foi integrada ao Ministério da Agricultura.

    A Agricultura informou que a absorção da estrutura ainda não foi concretizada e, por isso, não responde pelo caso.

    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. MEC lança mestrado profissional para professores

    2. MST ocupa sede do Ministério do Planejamento em Brasília

    3. MEC prorroga para novembro prazo de aditamento do Fies

    4. Campanha Natal sem Fome é retomada depois de 10 anos

    5. Brasil tem 30 novos santos: papa canoniza mártires de Cunhaú e Uruaçu