Fonte: OpenWeather

    País


    Presa dá à luz sem assistência médica em cela de penitenciária no Rio

    Uma mulher deu à luz a uma menina sem qualquer assistência médica dentro de uma cela da penitenciária feminina Talavera Bruce, no Complexo Penitenciário de Bangu, na zona oeste do Rio.

    O titular da Vara de Execuções Penais, juiz Eduardo Oberg, determinou o afastamento provisório da diretora do presídio, Andreia Oliveira, e da subdiretora, até que se apure a responsabilidade pelo caso.

    O parto aconteceu no último dia 11.

    Segundo a Seap (Secretaria de Estado de Administração Penitenciária), ela estava numa cela individual porque tinha comportamento agressivo. A Seap afirma que não se tratava de uma solitária, espaço fechado onde detentos rebeldes ou violentos são isolados como forma de punição ou precaução.

    Quando a presa entrou em trabalho de parto, detentas de celas vizinhas gritaram por socorro.

    Inspetores de segurança só se deram conta de que a mulher estava parindo depois que o bebê nasceu. A Seap diz não saber informar quanto tempo durou o parto. O órgão afirma apenas que mãe e bebê foram encaminhados "rapidamente" para o Hospital Estadual Albert Schweitzer, em Realengo, zona oeste do Rio.

    A Seap afirma que a mãe foi atendida pela unidade psiquiátrica e reconheceu que era usuária de crack antes de ser presa por tráfico de drogas em abril deste ano. Segundo o órgão, ela tinha crises de abstinência de drogas.

    Ainda de acordo com o órgão, ela tentou agredir o bebê no hospital. Juiz da 4ª Vara da Infância e Juventude e do Conselho Tutelar decidiu separar mãe e filha e a criança foi levada para um abrigo municipal.

    A mãe foi encaminhada a uma hospital psiquiátrico para tratamento de desintoxicação.

    Por determinação da Justiça do Rio, um inquérito policial na 34 ª DP (Bangu) será aberto para investigar o ocorrido, e a Seap terá que fazer uma investigação interna para apurar o que aconteceu com a gestante.

    A Justiça também encaminhará ao Ministério Público as peças processuais do caso.

    Por Folhapress