Fonte: OpenWeather

    País


    Brasil precisa combater imaginário patriarcal da sociedade, diz ministra

    A ministra das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, Nilma Lino Gomes, fala no programa Bom Dia, Ministro - foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
    A ministra das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, Nilma Lino Gomes, fala no programa Bom Dia, Ministro - foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

    A ministra das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, Nilma Lino Gomes, disse hoje (9) que cada avanço e cada direito que vão sendo garantidos para as mulheres no Brasil ajudam na mudança do imaginário que muitas têm sobre si mesmo e que os homens têm sobre as mulheres.

    “Quando se fala dessa dimensão cultural de algumas mulheres se sentirem como propriedade e homens como proprietários, e por isso acham que podem exercer toda forma de violência, isso diz respeito a uma dimensão que é o próprio imaginário patriarcal que temos em nossa sociedade”, afirmou.

    Para ela, as práticas machistas e sexistas precisam ser combatidas por meio da educação, cultura, de políticas públicas e da legislação. “Uma mudança cultural leva tempo, mas se formos comparar hoje com 20 anos atrás, o Brasil e as mulheres brasileiras vêm tomando mais consciência dos seus direitos, e a minha expectativa é de que vamos avançar mais”, acrescentou.

    A Lei Maria da Penha e a Lei do Feminicídio, segundo a ministra, são os principais instrumentos que os movimentos sociais femininos conquistaram para garantir direitos e combater a violência de gênero.

    Nilma Gomes participou nesta quarta-feira do programa Bom Dia, Ministro, produzido pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República em parceria com a EBC Serviços.

    Além de questões sobre o enfrentamento da violência contra a mulher e sobre as conquistas e desafios das políticas femininas no Brasil, a ministra falou sobre a 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres, que ocorre de 10 a 13 de maio em Brasília.

    Segundo Nilma Gomes, o tema "Mais direitos, participação e poder para as mulheres" mostra os três eixos importantes no levantamento sobre a situação da mulher no Brasil, que será feito pela sociedade civil e pelo governo.

    “Vamos ponderar também os desafios que temos pela frente e os caminhos para consolidar essas políticas e esses avanços. E fazer uma avaliação da situação das mulheres nos níveis nacional e internacional para compreendermos como esses avanços têm dialogado com um campo mais amplo além do Brasil”, afirmou.

    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. MEC lança mestrado profissional para professores

    2. MST ocupa sede do Ministério do Planejamento em Brasília

    3. MEC prorroga para novembro prazo de aditamento do Fies

    4. Campanha Natal sem Fome é retomada depois de 10 anos

    5. Brasil tem 30 novos santos: papa canoniza mártires de Cunhaú e Uruaçu