Fonte: OpenWeather

    País


    Gripe matou 18 pessoas em SP em 2016, diz prefeitura; 17 são por H1N1

    A grande parte das pessoas que morreram, 14 casos, tinha outras doenças crônicas que agravaram o problema - foto: divulgação
    A grande parte das pessoas que morreram, 14 casos, tinha outras doenças crônicas que agravaram o problema - foto: divulgação

    A chegada antecipada do vírus da gripe matou 18 pessoas até agora na capital paulista. Desse total, 17 foram vitimadas pelo H1N1, aponta balanço divulgado nesta sexta-feira (8) pela Prefeitura de São Paulo.

    A grande parte das pessoas que morreram, 14 casos, tinha outras doenças crônicas que agravaram o problema.

    O número de casos de síndrome gripal grave, em 2016, já é maior do que todo o ano passado. São 992 casos contra 986.

    Apesar dos números altos, não existe motivo algum para pânico, segundo Alexandre Padilha, secretário municipal de Saúde. "Não estamos vivendo e nem vamos viver uma pandemia como a de 2009", disse Padilha.

    A vacinação para crianças entre seis meses e menores de cinco anos, idosos e grávidas começa nos postos públicos na segunda-feira (11).

    Corrida

    O surto de gripe causou uma corrida nas últimas semanas a unidades de saúde públicas e particulares. Na rede privada, a vacina chega a custar R$ 200.

    Na rede pública, a vacinação começa na segunda-feira para grupos de risco (crianças de até cinco anos, gestantes e idosos).

    Perguntas e respostas

    A vacina protege contra quais vírus?

    A vacina dada na rede pública é a trivalente, contra as gripes A (H1N1), A (H3N2) e um tipo da B. Na rede privada também é oferecida a quadrivalente -que protege contra mais um tipo da B

    Quem faz parte dos grupos de risco?

    Crianças de 6 meses a 5 anos, idosos, profissionais da saúde, grávidas, puérperas, presidiários, funcionários do sistema prisional, indígenas e portadores de doenças crônicas ou com condições clínicas especiais (respiratórias, cardíacas, renais, hepáticas, neurológicas, imunológicas, diabéticos, obesos e transplantados)

    Mesmo se eu estiver fora dos grupos de risco, preciso tomar a vacina?

    O ideal é que todos tomem a vacina, mas, se não houver nenhum fator de risco, não é necessário enfrentar as longas filas que estão lotando clínicas e hospitais atualmente. A pessoa pode esperar a situação se tranquilizar ou aguardar o início da campanha nacional e então fazer a vacinação.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. MEC lança mestrado profissional para professores

    2. MST ocupa sede do Ministério do Planejamento em Brasília

    3. MEC prorroga para novembro prazo de aditamento do Fies

    4. Campanha Natal sem Fome é retomada depois de 10 anos

    5. Brasil tem 30 novos santos: papa canoniza mártires de Cunhaú e Uruaçu