Fonte: OpenWeather

    País


    Em conversa, delegado diz ter 'fortes indícios' de que não houve estupro no caso da adolescente do Rio

    Em uma conversa num grupo de Whatsapp composto por cinco delegados, o titular da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI), Alessandro Thiers, desqualificou os depoimentos da adolescente de 16 anos vítima de estupro no morro da Barão, no Rio.

    Thiers era o responsável pela investigação do caso até ser afastado neste domingo (29), depois que a então advogada da vítima, Eloísa Samy, o acusou de "machismo" e de constranger a adolescente durante o depoimento.

    Também pesou contra o delegado a demora para pedir a prisão dos suspeitos. O chefe da Polícia Civil, Fernando Veloso, decidiu afastá-lo do caso e concentrou as investigações sob a liderança de Cristiana Bento, da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima.

    A troca de mensagens foi revelada pelo jornal "Extra" e sua veracidade foi confirmada pela Folha de S.Paulo. Nela, Thiers compara o depoimento que colheu da adolescente, na sexta (27), com a entrevista que ela deu ao "Fantástico", no domingo (29).

    "No 'Fantástico' era outra pessoa. Sabe que temos fortes indícios de que não existiu estupro", escreveu o delegado.

    Ele também sugere que a cena narrada pela jovem na TV, no qual ela afirmou que havia "um menino embaixo de mim, um menino em cima e dois me segurando", se referia a um episódio do passado, não ao acontecido no sábado (21).

    "O relato de abuso que ela fala no 'Fantástico', ela relata que foi há tempos atrás e inclusive que os autores não foram mortos pelo chefe do tráfico local (Da Russa) por pedido da adolescente. O único crime seria a divulgação do vídeo."

    A jovem, no entanto, negou no programa de TV que já tivesse sofrido violência sexual antes. Ela também acusou o delegado de tentar culpá-la.

    "Tinha três homens dentro de uma sala de vidro. Ele [o delegado] botou na mesa as fotos e o vídeo, expôs e falou, 'conta aí'. Não perguntou se eu estava bem, se eu tinha proteção. Perguntou se eu tinha costume de fazer isso, se eu gostava de fazer isso. Parei [de responder] imediatamente", disse a jovem.

    Thiers também dá outro contexto a uma das frases ditas por um dos homens que participaram da gravação do vídeo do estupro, atribuindo-a a um funk. "O autor do vídeo diz que engravidou mais de 30 em alusão ao funk, para tirar onda de 'comedor'."

    Por fim, o delegado diz que a então advogada da vítima, Eloísa Samy, pediu que ela parasse de responder às perguntas quando começou a ser questionada sobre suas relações com os traficantes da área.

    "Diversas pessoas, inclusive a própria adolescente, confirmaram que a mesma frequentava a comunidade da Barão, inclusive com contato direto e íntimo com traficantes da área."

    A divulgação das mensagens dirigidas ao grupo de delegados causou grande constrangimento entre os integrantes. Segundo a reportagem apurou, entre eles está o chefe da Polícia Civil, Fernando Veloso, que negou a veracidade da conversa.
    "Conversei com ele [Thiers] e ele disse que não é real", afirmou o delegado à reportagem. Procurado, o delegado da DRCI não comentou.

    A reportagem também tentou contato com Eloísa Samy e com a Defensoria Pública, que assumiu a defesa da adolescente, mas não as encontrou.

    EVIDÊNCIA

    Nesta segunda-feira (30), a delegada Cristiana Bento, que assumiu no domingo (29) as investigações do caso do estupro da adolescente de 16 anos, afirmou não ter dúvida de que o crime aconteceu. "A minha convicção a é de que houve estupro. Está lá no vídeo, que mostra um rapaz manipulando a menina. O estupro está provado. O que eu quero agora é verificar a extensão desse estupro, quantas pessoas praticaram esse crime", disse a delegada.

    A investigação teve início após um vídeo da jovem, nua e desacordada, ser postado em redes sociais na terça (24). Na gravação, um grupo de homens, em meio a risadas, toca nas partes íntimas da garota e diz que ela foi violentada por "mais de 30". Em 2009, a lei 12.015 foi alterada e passou a considerar, além da conjunção carnal, atos libidinosos como crime de estupro.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. MEC lança mestrado profissional para professores

    2. MST ocupa sede do Ministério do Planejamento em Brasília

    3. MEC prorroga para novembro prazo de aditamento do Fies

    4. Campanha Natal sem Fome é retomada depois de 10 anos

    5. Brasil tem 30 novos santos: papa canoniza mártires de Cunhaú e Uruaçu