Fonte: OpenWeather

    País


    WhatsApp apenas 'vende' ideia de privacidade e zomba da Justiça, diz juiz

    Em sua decisão que fez com que o WhatsApp ficasse bloqueado no Brasil por 25 horas em abril, o juiz Marcel Montalvão diz que a empresa usa seus usuários como "massa de manobra" e quer "vender" a ideia de privacidade nas mensagens. Ele também elogia a BlackBerry, que colaborou com investigações da Lava Jato.

    O texto de Montalvão, magistrado da comarca de Lagarto (SE), não havia sido divulgado até agora porque as investigações que motivaram o bloqueio -sobre uma quadrilha de traficantes- corre em segredo de Justiça.

    Entretanto, o juiz liberou a decisão como parte de um processo que corre no STF (Supremo Tribunal Federal) sobre o assunto, após ação do partido PPS.

    Na decisão, o juiz de Sergipe acusa várias vezes o WhatsApp e o Facebook, dono da ferramenta, de "zombar" da Justiça brasileira ao não liberar informações para investigações sobre a quadrilha.

    Montalvão afirma que a companhia não se importa com a privacidade "de quem quer que seja", mas, sim, quer "vender a ideia de que é impossível serem interceptados mensagens ou vídeos desfilados" no app. Com isso, "resguardaria o valor de suas ações na Nasdaq", a Bolsa de valores americana para firmas de tecnologia.

    Para ele, o Facebook age motivado por "razões unicamente comerciais".

    O WhatsApp argumenta que já não guardava informações sobre o conteúdo das conversas. E que em abril a terminou de implementar a criptografia "end-to-end" (no qual apenas as pessoas na conversa podem ler as mensagens). Com isso, afirma, é impossível divulgar os dados.

    O magistrado é cético a respeito a respeito da explicação. Cita relatório da Polícia Federal que diz que seria sim possível criar exceções no sistema para que as conversas fossem interceptadas -a argumentação é que a empresa criou o sistema, então deve saber como flexibilizá-lo.

    "A ideia de que seria possível desativar a criptografia ponta a ponta de conversas específicas é falsa", respondeu o app, em nota.

    Outras companhias como a Apple já se negaram internacionalmente a abrir "buracos" em sua criptografia, porque isso, segunda elas, é um precedente perigoso para a privacidade dos usuários.

    No texto, ele cita a Blackberry, uma das pioneiras do mundo dos smartphones e que hoje tem algo em torno de 0,2% do mercado global.

    Nas investigações da operação Lava Jato, a Polícia Federal entrou em um acordo com a fabricante do aparelho, a canadense Research in Motion. Com isso, foi estabelecido um canal direto para cumprir ordens de quebra de sigilo de mensagens. As interceptações foram autorizadas pelo juiz Sergio Moro.

    O curioso é que o sistema da Blackberry foi por muito tempo considerado mais seguro -por isso, usado pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

    Mas, recentemente, a empresa tem tido baques nesse assunto: em janeiro, o famoso traficante Joaquín "El Chapo" Guzmán foi preso depois que mensagens do aparelho dele foram obtidas pelas autoridades mexicanas.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. MEC lança mestrado profissional para professores

    2. MST ocupa sede do Ministério do Planejamento em Brasília

    3. MEC prorroga para novembro prazo de aditamento do Fies

    4. Campanha Natal sem Fome é retomada depois de 10 anos

    5. Brasil tem 30 novos santos: papa canoniza mártires de Cunhaú e Uruaçu