Fonte: OpenWeather

    País


    Mudança em Lei de Drogas pode diminuir população carcerária, dizem especialistas

    A onda de massacres em presídios brasileiros no início do ano retomou a discussão sobre a superpopulação carcerária no país. O deficit no sistema penitenciário chega a 250 mil vagas, de acordo com dados do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen), do Ministério da Justiça.

    Para a organização internacional Human's Right Watch, a atual Lei de Drogas (11.343/06) é um “fator chave para o drástico aumento” da população carcerária no Brasil.

    A lei substituiu a pena de prisão para usuários de drogas por medidas alternativas como o serviço comunitário. Porém, segundo a entidade, a “linguagem vaga” do texto permite processar usuários como traficantes. Especialistas em segurança pública defendem uma mudança na legislação.

    O percentual de presos por crimes relacionados a drogas subiu de 9%, em 2005, para 28% em 2014, segundo dados do Infopen, usados no relatório da Human’s Right Watch. Os crimes ligados ao tráfico de drogas são a segunda maior causa de encarceramento no País, logo após os crimes contra o patrimônio, como roubo e furto, que representam 46% do total.

    Depois que a Lei de Drogas foi implantada, o sistema carcerário faliu completamente, na opinião do relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) de 2015 sobre o tema, deputado Sérgio Brito (PSD-BA). “Não digo que faliu por causa da lei, mas que a lei ajudou muito na falência do sistema, ajudou. A lei coloca no mesmo saco o traficante e o usuário e isso não pode ser”, criticou.

    A lei, segundo o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), só aumenta a superpopulação carcerária. “A política antidrogas no Brasil é inspirada na dos Estados Unidos, com resultado de ampliação da população carcerária. Não tem nenhum indicador que essa política tenha reduzido o consumo de drogas.”

    Já o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), acredita que a lei atual já foi aliviada em relação à legislação anterior. “Querer legalizar o tráfico como alguns propõem será o fim do mundo. Não vamos sonhar com dias melhores no Brasil legalizando, sonhando que você vai quebrar com o tráfico. Não vai. O cigarro é legalizado e, em média, 30% do cigarro no Brasil chega por contrabando”, afirmou. Segundo ele, a defesa da mudança da lei para legalizar drogas parece desconhecer os impactos do vício na vida de uma pessoa.

    Tiago Miranda

    Agência Câmara

    Mais lidas

    1. MEC lança mestrado profissional para professores

    2. MST ocupa sede do Ministério do Planejamento em Brasília