Fonte: OpenWeather

    País


    Acidente entre carro e caminhão deixa três pessoas feridas na Marginal Tietê

    Algumas das vítimas precisaram do auxílio dos bombeiros para sair das ferragens - Divulgação

    Um acidente envolvendo um caminhão e um carro deixou três pessoas feridas na Marginal Tietê, no sentido Ayrton Senna, nas imediações da Ponte Cruzeiro do Sul, na manhã desta segunda-feira (29).

    A suspeita inicial é a de que o motorista do carro perdeu o controle do veículo, bateu na mureta da marginal e, em seguida, foi atingido pelo caminhão.
    Duas pessoas do carro de passeio ficaram presas às ferragens, sendo que uma delas está em estado grave.

    Elas foram resgatadas pelo Corpo de Bombeiros, que enviou sete viaturas para o local. As vítimas foram levadas para o Hospital das Clínicas.
    O acidente, segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), foi registrado por volta das 6h19 na pista central.

    Durante o atendimento às vítimas, as equipes de resgate tiveram que ocupar todas as faixas da marginal, o que gerou um longo congestionamento até a Ponte Júlio de Mesquita Neto. As pistas só foram liberadas às 7h20, segundo a CET.

    Neste sábado (27), um engavetamento registrado na Marginal Pinheiros, na altura da ponte Transamérica, deixou seis pessoas feridas e interditou uma faixa da pista local sentido rodovia Castello Branco por cerca de seis horas.

    Mais acidentes

    O número de acidentes com vítimas nas marginais Tietê e Pinheiros aumentou pelo terceiro mês consecutivo desde a elevação dos limites de velocidade nas vias pela gestão de João Doria (PSDB), no dia 25 de janeiro.

    De fevereiro a abril, três meses após as mudanças, o número de batidas com vítimas subiu 43% em comparação ao mesmo período de 2016, segundo dados do batalhão de trânsito da PM.

    Outro lado

    A gestão Doria diz que não teve acesso ao estudo e, por isso, não comenta os dados apresentados. A CET diz que a PM usa uma metodologia diferente e leva em consideração acidentes nas alças de acesso e nas pontes, locais onde não houve readequação de velocidade. "Até agora, nenhum dos acidentes fatais ocorridos este ano, por exemplo, sugere a velocidade como causa", afirmou o órgão.

    FolhaPress