Fonte: OpenWeather

    Plateia


    Projeto Gaponga de Celdo Braga traz a magia da sonoridade amazônica

    O objetivo do projeto, de acordo com Celdo Braga, é “disseminar o gosto e a valorização do que é nosso” - Divulgação

    Novo projeto do poeta e músico Celdo Braga, em conjunto com a cantora Sofia Amoedo, os músicos João Paulo e Neil Armstrong Jr. e o técnico de som Defson Braga, o grupo Gaponga se apresentará no Teatro Amazonas amanhã, 2 de julho, às 19h, para mostrar a originalidade do trabalho desenvolvido pelo quinteto com instrumentos acústicos confeccionados pelos próprios artistas com cuias, sementes, ouriços, troncos de palmeiras e outras matérias-primas encontradas na Região Amazônica.

    O objetivo do projeto, de acordo com Celdo Braga, é “disseminar o gosto e a valorização do que é nosso”, referindo-se às riquezas culturais amazônicas. O músico conta que levará ao palco do Teatro um repertório que mescla os trabalhos produzidos durante sua trajetória de 25 anos no grupo Raízes Caboclas e no grupo Imbaúba, no qual permaneceu por dez anos, além das novas músicas compostas para o Gaponga.

    Entre os instrumentos utilizados, destacam-se a cuia com ligas, chamada de tracajá, porque remete ao som do animal caminhando; o tambor de mola, denominado “tambor celestial”, pois, segundo Celdo, ele emite um “som sideral”; um uquelele adaptado em uma cuia, além de tubos de papelão com tampo de madeira marupá.

    Leia também: Canto da Mata grava DVD no Teatro Amazonas

    Na ocasião, o grupo lançará o CD autointitulado com faixas inéditas. O repertório do show é totalmente autoral, com ritmos variados e conduzido pelo embalo da música orgânica da floresta. Os artistas prometem uma apresentação “mágica” e uma experiência sinestésica de integração dos sentidos ao público que tiver contato com a atmosfera “verde”. O projeto gráfico do grupo é de autoria de Marcicley Reggo.

    Celdo ressalta que esse trabalho artístico com ênfase na sonoridade amazônica também resgata o valor de utensílios como a cuia, trazendo um vínculo de retorno com a identidade da região, já que esse objeto, do cotidiano dos habitantes, foi substituído por vasilhas de plástico. Os ingressos para o espetáculo podem ser adquiridos na bilheteria do Teatro Amazonas, ao custo de R$ 50 (plateia e frisas) e R$ 30 (lugares nos 1º, 2º e 3º pisos).

    Celdo Braga é músico e poeta. Um dos fundadores do Raízes Caboclas - foto: Diego Janatã

    Artistas

    O grupo Gaponga é formado por artistas de renome da cena da música regional. Além de músico e poeta, Celdo Braga, que é natural de Benjamin Constant (AM), é compositor e professor. É graduado em Letras pela PUC do Rio Grande do Sul. Já gravou ao menos quatro CDs (“Canoa”, “Chamando o Vento”, “Pássaros e Sonhos” e “Sarau na Floresta”) e o DVD “O poeta e o passarinho”. Publicou os livros “Água e Farinha” e “Varal – sonhos ao sol e estações”. Também é fundador dos grupos Raízes Caboclas, pelo qual lançou 12 CDs, e Imbaúba, com cinco álbuns. Toca flauta doce e cuatro venezuelano (instrumento de corda similar ao violão) e costuma imitar o canto dos pássaros que vivem na Região Amazônica.

    Sofia Amoedo é professora de canto e violão e já atuou como vocalista e violinista do grupo Imbaúba, pelo qual participou da gravação de quatro CDs. Nascida em Terra Santa, no Pará, ela tem a trajetória marcada pela participação em festivais de música.

    Outro instrumentista que faz parte do grupo é João Paulo. Ele nasceu em Parintins e tem formação musical em percussão. Seus instrumentos básicos são a bateria e outros de percussão criados artesanalmente. Também natural da terra do boi-bumbá, Neil Armstrong Jr. é violinista, guitarrista e tem se destacado em apresentações com diversos artistas do Amazonas. O quinto membro efetivo do grupo é o manauense Defson Braga, que exerce a função de técnico de som.

    Kássio Nunes

    EM TEMPO

    Leia mais:

    Marcio Souza e Celdo Braga assumem Conselho Municipal de Cultura

    Largo de São Sebastião recebe 2ª edição do Encontro de Bateristas de Manaus

    ‘Série Encontro das Águas’ retorna ao palco do Teatro Amazonas